Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

A mãe cristã – recordando sua altíssima vocação

Postado em 08-08-2013

Mulher cristã, tu não nasceste para fazer obras mestras. As grandes obras da política, da guerra, da ciência, da literatura, da arte, não brotaram das tuas mãos, nem do teu engenho. Tudo isto é obra dos homens. Todavia, tu fizeste o que mais vale, formaste esses homens, não só porque os geraste com o teu sangue, mas também porque os modelaste com tua paciência e com teus encantos.

Esposa, Deus te criou para ajuda do homem. Casaste para auxiliar a teu esposo na grande obra de dar filhos a Deus, cidadãos à sociedade, fiéis à Igreja e eleitos ao céu.

Sê generosa com Deus; não lhe negues por egoísmo, por temor ao trabalho e à dor, os filhos que te quer dar. Eles serão tua coroa no céu.

Casaste para ajudar teu marido a salvar sua alma, sendo estímulo de sua religião e remédio de suas paixões. Ama-o e sê fiel a ele como a Igreja a Cristo; assiste-lhe com diligência e carinho como a teu companheiro inseparável e sustento de tua existência; obedece-lhe e respeita-o como a teu superior e cabeça; suporta-o com paciência; responde-lhe com mansidão, cala-te quando ele está enfadado; aconselha-o com prudência e sem cansá-lo; não lhe dês ocasião de ciumes com familiariades alheias. Respeita teus sogros, seus pais, como a teus pais; trata as tuas cunhadas, suas irmãs, como a tuas irmãs; promove a harmonia e união entre todos os de casa. Vive em paz com teus parentes e vizinhos.

Mãe, ajuda a teu marido na educação dos filhos. De ti depende, sobretudo, que teus filhos sejam bons cristãos, de ti, que estás sempre com eles; de ti, que és anjo da guarda deles, centro da vida deles, ímã de seus corações e que vales para eles mais que todos os mestres de escola. O que tu lhes ensinares não chegarão jamais olvidar.

Um grande político dizia certo dia: “Eu teria sido ateu se houvesse podido olvidar uma coisa: a recordação do tempo em que minha mãe tomava minhas mãozinhas com as suas e me fazia ajoelhar dizendo: Padre Nosso que estais nos céus.” Ensina-lhes a rezar, anima-os a frequentar os sacramentos, vigia suas companhias e diversões; tem sumo cuidado em que exista a devida separação entre filhos e filhas e pessoas de diferente sexo. Corrige-os com amor. Não os castigues com rancor.

Preocupa-te, sobretudo, com as tuas filhas: não dês asas à vaidade delas; obriga-as a aprender os labores de uam dona de casa; não tenhas tanta pressa em casá-las de maneira que não consideres a verdadeira vocação delas, fazendo-as infelizes nesta e na outra vida.

Grava em teu coração os mesmos desejos, e em teus lábios as mesmas palavras de Santa Branca de Castela para seu filho São Luís, rei da França: “Antes que em pecado quisera ver-te despojado das insígnias régias ou morto.”

Oração a Santa Mônica

Oh! esposa e mãe exemplar Santa Mônica! Vós provastes a alegria e a dificuldade da vida conjugal. Vós lograstes levar a fé a vosso esposo Patrício, homem de caráter difícil e libertino; vós derramastes tantas lágrimas e rogastes dia e noite pela salvação da alma de vosso filho Agostinho. Não abandonastes jamais vosso filho, nem sequer quando vos enganou e fugiu de vós. Intercedei por nós, grande modelo de esposa e mãe, para que a família que Deus me deu, e as famílias cristãs em geral, saibamos transmitir a fé e amar-nos sempre com amor sobrenatural. Santa Mônica, ajudai-nos a saber levar a nossos entes queridos na vida da graça, confortando-os nos momentos difíceis e consigamos da Santíssima Virgem, Mãe de Deus e nossa Mãe, poder chegar todos juntos à pátria eterna do céu. Amém.

Oração a Maria Santíssima

Oh! cheia de graça e bendita entre todas as mulheres, Maria! Estendei, vos rogamos, a mão de vossa maternal proteção sobre nós, vossas filhas, que nos aproximamos de vosso trono de Rainha como falanges dóceis a vossas indicações e decididas a realizar, com vosso auxílio, em nós mesmas e em nossas irmãs, o ideal da verdade e da perfeição cristã!

Em vós se fixam com admiração nossos olhos, ó Imaculada filha predileta do Padre, ó Virgem esposa do Espírito Santo, ó Mãe terníssima de Jesus! Obtende-nos de vosso Filho a graça de poder refletir em nós mesmas vossas excelsas virtudes em todas idades e condições!

Fazei que nos conservemos incontaminadas e puras nos sentimentos e nos costumes; doces, afetuosas, compreensivas, companheiras de nossos esposos; mães diligentes, vigilantes, zelosas para com nossos filhos; administradoras prudentes de nossos lares; cidadãs exemplares de nossa pátria; filhas fiéis da Igreja, prontas a deixar-nos guirar por ela no pensamento e na ação!

Ajudai-nos, ó nossa Mãe amorosíssima, a observar fielmente os deveres de nosso estado e fazer de nossas moradas centros de vida espiritual e de operante caridade, escolas de formação das consciências e jardins de todas as virtudes; assisti-nos para que também na vida social e pública saibamos ser exemplo de fé profunda, de prática cristã constante e firme, de incorrupta integridade e de justo equilíbrio fundado sobre os mais sólidos princípios religiosos!

Abençoai nossos propósitos e nossas fadigas, e assim como nos sentimos inspiradas por vós para empreendê-los, assim também nos seja concedido, por vosso auxílio, ver seus frutos abundantes no tempo e na eternidade! Amém.

Retrato de uma mãe

Mons. Ramón Ángel Jara

Há uma mulher que tem algo de Deus pela imensidade de seu amor, e muito de anjo pela incansável solicitude de seus cuidados; uma mulher que, sendo jovem, tem a reflexão de uma anciã e na velhice, trabalha com  o vigor da juventude; a mulher que se é ignorante descobre os segredos da vida com mais acerto que um sábio, e se é instruída se acomoda à simpilicidade das crianças; uma mulher que sendo rica, daria com gosto seu tesouro para não sofrer em seu coração a ferida da ingratidão; uma mulher que sendo débil se reveste às vezes da bravura do leão; uma mulher que, enquanto vive, não a sabemos estimar porque a seu lado todas as dores se esquecem, que, entretanto, depois de morta, daríamos tudo que temos para vê-la de novo um instante, para receber dela um só abraço, para escutar um só acento de sua voz. Desta mulher não me exijas o nome se não queres que empape de lágrimas o teu álbum, porque a vi passar em meu caminho. Quando crescerem teus filhos, lê-lhes esta página, e eles, cobrindo de beijos tua fronte, te dirão que um humilde viajante, em retribuição de suntuosa hospedagem recebida, deixou aqui para ti e para eles um bosquejo do retrato da mãe deles.

Disse São Pio X: “Dai-me mães realmente cristãs e eu transformarei o mundo.”

Não haverá salvação para a sociedade e para família, se a mulher não voltar a  ser verdadeiramente cristã!

Tradução do espanhol, com pequenas adaptações, do folheto publicado pela Parroquia del Santísimo Redentor, Diocese de San Bernardo, Chile, pelo Rev. Pe. Pedro Felix Salas Fernández