Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1 — Se o homem pode alcançar a beatitude.

[ ]

O primeiro discute-se assim. — Parece que o homem não pode alcançar a beatitude.

1. — Pois, assim como a natureza racional é superior à sensível, assim a intelectual o é à racional, como se vê claramente em muitos lugares de Dionísio1. Ora, os brutos, dotados só da natureza sensível, não podem alcançar o fim da natureza racional. Logo, nem o homem de natureza racional, pode alcançar o fim da natureza intelectual, que é a beatitude.

2. Demais. — A verdadeira beatitude consiste na visão de Deus, que é a verdade pura. Ora, é conatural ao homem descobrir a verdade na ordem natural; por isso é que intelige, nos fantasmas, as espécies inteligíveis, como diz Aristóteles2. Logo, não pode alcançar a beatitude.

3. Demais. — A beatitude consiste na obtenção do sumo bem. Mas ninguém pode chegar ao que é sumo sem passar pelos meios. Ora, como entre Deus e a natureza humana é média a natureza Angélica, que o homem não pode ultrapassar, resulta que não pode alcançar a beatitude.

Mas, em contrário, diz a Escritura (Sl 93, 12): Bem-aventurado o homem a quem tu instruíres, Senhor.

SOLUÇÃO. — Beatitude significa obtenção do bem perfeito. Logo, quem quer que seja capaz de tal bem pode alcançá-la. Ora, como o seu intelecto pode apreender o bem universal e perfeito, e a sua vontade apetecê-lo, conclui-se que o homem é capaz do bem perfeito. E portanto, pode alcançar a beatitude. — E o mesmo também se conclui de ser ele capaz da visão da divina essência, como já se estabeleceu na primeira parte3. Ora, dissemos que, nessa visão, consiste a sua perfeita beatitude4.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — De modo diferente excede a natureza racional à sensitiva e a intelectual, à racional. Pois, racional excede a sensitiva quanto ao objeto do conhecimento; porque o sentido de nenhum modo pode, ao contrário da razão, conhecer o universal. Porém a natureza intelectual excede a racional quanto ao modo de conhecer a verdade inteligível; pois aquela apreende imediatamente a verdade, que a natureza racional alcança pela perquirição da razão, como resulta claro do já dito na primeira parte5. Por onde, como a razão pode, movendo-se, alcançar aquilo que o intelecto apreende, concluí-se que a natureza racional pode alcançar a beatitude, que é a perfeição da natureza intelectual, embora de modo diferente do angélico. Pois os anjos a conseguiram imediatamente desde o princípio da sua condição; ao passo que os homens e ela chegam após certo tempo, enquanto que a natureza sensitiva de nenhum modo pode alcançar tal fim.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Ao homem, no estado de vida presente, é conatural o modo de conhecer a verdade inteligível por meio dos fantasmas; mas, passada esta vida, tem outro modo conatural, como já se disse na primeira parte6.

RESPOSTA À TERCEIRA. — O homem não pode exceder os anjos pelo grau de natureza e de modo que lhes seja naturalmente superior. Pode-o contudo pela atividade do intelecto, inteligindo que existe algo de superior aos anjos, que o beatifica, e que quando o alcançar perfeitamente, será perfeitamente feliz.
1. De div. nom.
2. III De Anima.
3. Q. 12 a. 1.
4. Q. 3 a. 8.
5. Q. 58 a. 3; q. 79 a. 8.
6. Q. 84 a. 7; q. 89 a. 1.