Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 3 ― Se a memória e a esperança são causas do prazer.

[ ]

(III Sent., dist. XXVI, q. 1, a . 1, ad. 3; XI Metaph., lect. VIII).

O terceiro discute-se assim. ― Parece que a memória e a esperança não são causas do prazer.

1. ― Pois, o prazer se refere ao bem presente, como diz Damasceno1. Ora, a memória e a esperança se referem ao bem ausente; aquela ao passado, esta, ao futuro. Logo, a memória e a esperança não são causas do prazer.

2. Demais. ― Os contrários não podem ter a mesma causa. Ora, a esperança é causa da aflição, conforme a Escritura (Pr 13, 12): A esperança que se retarda aflige a alma. Logo, a esperança não é causa do prazer.

3. Demais. ― Tanto a esperança como a concupiscência e o amor convêm com o prazer, relativamente ao bem. Logo, não se deve dizer que, mais que a concupiscência e o amor, a esperança é causa do prazer.

Mas, em contrário, diz a Escritura (Rm 12, 12): Na esperança alegres; e (Sl 76, 4): Lembrei-me de Deus e me deleitei.

SOLUÇÃO. ― O prazer é causado pela presença do bem conveniente, quando sentido ou percebido de qualquer maneira. Ora, uma coisa pode nos estar presente de dois modos: pelo conhecimento, estando o objeto conhecido por uma semelhança no sujeito que conhece; ou realmente, como quando uma coisa se une a outra real e atualmente, ou em potência, por um modo qualquer de união. E sendo a união real mais íntima que a do conhecimento, que implica uma semelhança, bem como a união real atual mais que a potencial, máximo é o prazer dos sentidos, que requer a presença da coisa sensível. Em segundo lugar vem o prazer da esperança, no qual se dá a união deleitável, não só pela apreensão, mas também pela faculdade ou possibilidade de alcançar o bem que deleita. Em terceiro lugar, por fim, está o prazer da memória, que implica só a união de apreensão.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. ― A esperança e a memória se referem, certo, a objetos absolutamente ausentes, mas que, a certa luz, são presentes, quer só pela apreensão, quer pela apreensão e pela faculdade, pelo menos presumida.

RESPOSTA À SEGUNDA. ― Nada impede os contrários tenham a mesma causa considerada em pontos de vista diversos. Por onde, a esperança, enquanto inclui a apreciação presente de um bem futuro, causa o prazer; enquanto porém privada da presença do mesmo, causa a aflição.

RESPOSTA À TERCEIRA. ― O amor e a concupiscência causam o prazer. Pois todo amado é deleitável ao amante, por ser o amor uma certa união ou conaturalidade entre o amante e o amado. Semelhantemente, todo objeto desejado é deleitável para quem o deseja, pois a concupiscência é principalmente o apetite do prazer. A esperança porém implicando uma determinada certeza da presença real do bem que deleita, ao contrário do amor e da concupiscência, é mais que esta e aquela causa do prazer, e semelhantemente, mais que a memória, atinente ao passado.
1. Lib. II Orth. Fid., cap. XII.