Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 4 ― Se a tristeza é causa do prazer.

[ ]

O quarto discute-se assim. ― Parece que a tristeza não é causa do prazer.

1. ― Pois, um contrário não é causa de outro. Ora, a tristeza contraria o prazer. Logo, não é causa deste.

2. Demais. ― Os efeitos dos contrários são contrários. Ora, a lembrança das coisas deleitáveis é causa de prazer. Logo, a das coisas tristes é causa da dor e não, do prazer.

3. Demais. ― A tristeza está para o prazer como o ódio para o amor. Ora, o ódio não é causa do amor, antes pelo contrário, como foi dito1. Logo, a tristeza não é causa do prazer,

Mas, em contrário, diz a Escritura (Sl 41, 4): As minhas lágrimas foram o meu pão de dia e de noite. Ora, por pão entende-se o alimento do prazer. Logo, as lágrimas oriundas da tristeza podem ser deleitáveis.

SOLUÇÃO. ― A tristeza pode ser considerada de duplo ponto de vista: como atual e como existente na memória, e de ambos esses modos pode ser causa do prazer. Assim, a tristeza atual é causa do prazer, por despertar a memória da coisa amada, cuja ausência contrista, mas cuja apreensão só por si já deleita. Mas a lembrança da tristeza se torna deleitável por causa da subseqüente libertação, pois não padecer um mal implica a noção de bem. Por onde, aumenta-se-nos a matéria da alegria quando conhecemos estarmos livres de certas tristezas e dores, e como diz Agostinho: muitas vezes, estando alegres, lembramo-nos das coisas tristes; e sãos e sem dor, de coisas dolorosas, e isso faz com que nos tornemos mais alegres e como reconhecidos2. E o mesmo Agostinho afirma que quanto maior foi o perigo na luta, tanto maior é a alegria do triunfo3.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. ― Acidentalmente um contrário pode ser causa de outro; assim o frio às vezes aquece, como diz Aristóteles4. Semelhantemente, a tristeza é causa acidental do prazer, enquanto que, por ela, se dá a apreensão de algum objeto deleitável.

RESPOSTA À SEGUNDA. ― A lembrança das coisas tristes, enquanto tristes e contrárias às deleitáveis, não causam prazer, senão enquanto que o homem se sente liberto delas. E semelhantemente, a lembrança de coisas agradáveis perdidas pode causar a tristeza.

RESPOSTA À TERCEIRA. ― O ódio pode por acidente ser causa do amor; assim, quando amamos os que odeiam conosco um mesmo objeto.
1. Q. 29, a. 2.
2. XXII De civ. Dei (Gregorius Moral., lib. IV, cap. XXXVI).
3. VIII Confess., cap. III.
4. VIII Physic., lect. II.