Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 2 ― se fruir é próprio só do homem.

[ ]

(I Sent., dist. I, q. 4, a 1).

O segundo discute-se assim. ― Parece que fruir é próprio só do homem.

1. ― Pois, diz Agostinho, os homens somos os que fruímos e utilizamos1. Logo, os brutos não podem fruir.

2. Demais. ― Fruímos do fim último. Ora, este não podem conseguir os brutos. Logo, não podem fruir.

3. Demais. ― Assim como o apetite sensitivo está sujeito ao intelectivo, assim o apetite natural, ao sensitivo. Ora, se fruir pertence ao apetite sensitivo, parece que, pela mesma razão, pode pertencer ao natural, o que é evidentemente falso, pois, este não pode fruir. Logo, também não o pode o sensitivo, e portanto não é próprio dos brutos fruir.

Mas, em contrário, diz Agostinho: não é absurdo pensar que também os brutos fruem do alimento e de qualquer outro prazer corpóreo2.

SOLUÇÃO. ― Como resulta do que já foi estabelecido3, fruir não é ato da potência que chega ao fim, executando-o; mas da que impera a execução, pois, conforme já se disse, tal é próprio da potência apetitiva. Ora, nos seres privados de conhecimento, há, certo, a potência que alcança o fim, como executora; assim, o grave tende para baixo e o leve, para cima. Mas a potência que visa o fim, como imperativa, não reside neles, mas nalguma natureza superior. E esta move toda a natureza pelo seu império, assim como, nos seres que têm conhecimento, o apetite move as outras potências para os atos delas. Logo, é manifesto que os seres privados de conhecimento, embora cheguem ao fim, não podem contudo fruir dele, como o podem só os que têm conhecimento. O conhecimento do fim é porém duplo: o perfeito e o imperfeito. Pelo perfeito, conhecemos não só o fim e o bem, mas a idéia universal do bem e do fim; e tal conhecimento é próprio só da natureza racional. Pelo imperfeito, conhecemos particularmente o fim e o bem e tal conhecimento também existe nos brutos, cujas virtudes apetitivas não imperam livremente, mas são movidas ao que apreendem por um instinto natural. Por onde, à natureza racional convém a fruição na acepção perfeita; aos brutos, na imperfeita e, às demais criaturas, de nenhum modo.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Agostinho se refere à fruição perfeita.

RESPOSTA À SEGUNDA. ― Não é necessário que a fruição se refira ao último fim, absolutamente; mas ao que cada um considera como tal.

RESPOSTA À TERCEIRA. ― O apetite sensitivo resulta de algum conhecimento; não, porém, o apetite natural, sobretudo enquanto existente nos seres carecentes de razão.

RESPOSTA À QUARTA. ― No passo aduzido, — Agostinho se refere à fruição imperfeita, como resulta do modo mesmo por que se expressa; pois, diz, não é absurdo pensar que também os brutos fruem, como não o seria dizer que usam.
1. I De doctrina christ., cap. XXII.
2. LXXXIII Quaestion., q. XXX.
3. Q. 11, a. 1