Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 5 ― Se os brutos Intendem o fim.

[ ]

O quinto discute-se assim. ― Parece que os brutos intendem o fim.

1. ― Pois, a natureza dos seres carecentes de razão dista mais da natureza do que da natureza sensível dos brutos. Ora, a natureza intende um fim, mesmo nos seres carecentes de razão, como o prova Aristóteles1. Logo, com maior razão, os brutos intendem o fim.

2. Demais. ― Como a intenção tem por objeto o fim, assim também a fruição, como se disse2. Logo, e igualmente, de intenção.

3. Demais. ― Não sendo o intender senão tender para algum fim, o que age para um fim o intende. Ora, os brutos agem para um fim, pois o animal se move em busca de alimento e para coisas semelhantes. Logo, intendem o fim.

Mas, em contrário. ― A intenção do fim importa em ordenar-se para ele, e ordenar é próprio da razão. Ora, como os brutos não a tem, não intendem o fim.

SOLUÇÃO. ― como já se disse3, intender é tender para alguma coisa, o que é próprio do motor e do movido. ― Se pois, se diz que intende o fim o que é movido para ele, então a natureza o intende, movida que é ao seu fim por Deus, assim como a seta pelo sagitante. E deste modo, também os brutos intendem o fim enquanto movidos pelo instinto natural. ― De outro modo, intender o fim é próprio do motor, enquanto ordena ao fim o movimento seu ou alheio, o que é obra só da razão. E nesta sentido, que é o de intender própria e principalmente, os brutos não intendem o fim, como já se disse4.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — A objeção procede sendo intender próprio do que é movido para o fim.

RESPOSTA À SEGUNDA. ― A fruição não importa, como a intenção, em ordenar-se uma coisa para um ser, mas o descanso absoluto no fim.

RESPOSTA À TERCEIRA. ― Os brutos são movidos para o fim, não considerando que podem alcançá-lo pelo seu movimento, o que é próprio de quem intende; mas desejando-o, são movidos para ele por um instinto natural, quase movidos por outro ser, segundo acontece com tudo o que é naturalmente movido.
1. II Phys., lect. XIII, XIV.
2. Q. 11 a. 2.
3. Q. 12, a. 1.
4. Q. 12, a. 1.