Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 2 ― Se usar convém aos brutos.

[ ]

O segundo discute-se assim. ― Parece que usar convém aos brutos.

1. ― Pois, fruir é mais nobre que usar, porque, como diz Agostinho, o que usamos referimos ao que vamos goza1. Ora, fruir convém aos brutos, como já se disse2. Logo, com maior razão o usar.

2. Demais. ― Usar é aplicar os membros para agir. Ora, os animais fazem tal, pois usam dos pés para andar e dos chifres para chifrar. Logo, aos brutos convém o usar.

Mas, em contrário, diz Agostinho: Só o animal dotado da razão é que pode usar das coisas3.

SOLUÇÃO. ― Como já se disse4, usar é aplicar um princípio de ação para agir, assim como consentir é aplicar o movimento apetitivo para desejar alguma coisa, conforme ficou estabelecido5. Ora, só o ser que tem livre arbítrio sobre outro é que pode aplicar este último a um terceiro; ora, esse arbítrio só o tem o ser que sabe referir uma coisa à outra, o que pertence à razão. Por onde, só o animal racional pode consentir e usar.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Fruir implica o movimento absoluto do apetite para o apetível; ao passo que usar implica esse movimento para uma coisa que se refere à outra. Se pois compararmos o usar e o fruir, quanto aos seus objetos, este é mais nobre que aquele, pois, o absolutamente desejável é melhor que aquilo que só relativamente o é. Se os compararmos porém, quanto à virtude apreensiva precedente, maior nobreza requer o uso, porque ordenar uma coisa a outra é próprio da razão; absolutamente falando, porém, também o sentido pode apreender uma realidade.

RESPOSTA À SEGUNDA. ― Os animais usam de seus membros por instinto natural e não por conhecerem a relação deles com as suas operações. Por onde, não se diz propriamente, que aplicam os membros à ação nem que deles usam.
1. X De Trin., cap. X.
2. Q. 11 a. 2.
3. LXXXIIIQuaestion., q. XXX.
4. Q. 16, a. 1.
5. Q. 15 a. 1, 2, 3.