Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 2 ― Se a ação humana haure no objeto a sua bondade ou malícia.

[ ]

(Infra, q. 19, a . 1; II Sent., dist. 36, a . 5).

O segundo discute-se assim. ― Parece que a ação humana não haure no objeto a bondade ou a malícia.

1. ― Pois, o objeto de uma ação é uma realidade. Ora, não nas coisas, mas no uso que delas fazem os pecadores, está o mal, como diz Agostinho1. Logo, a ação humana não haure no objeto a sua bondade ou malícia.

2. Demais. ― O objeto é como a matéria da ação. Ora, a bondade de uma coisa não provém da matéria, mas antes, da forma, que a atualiza. Logo, não é no objeto que os atos haurem a bondade ou a malícia.

3. Demais. ― O objeto da potência ativa está para a ação, como o efeito para a causa. Ora, a bondade da causa não depende do efeito, mas antes, ao contrário. Logo, não se tira do objeto a bondade nem a malícia do ato humano.

Mas, em contrário, diz a Escritura (Os 9, 10): e se tornaram abomináveis como as coisas que amaram. Ora, o homem, pela malícia dos seus atos, é que se torna abominável perante Deus. Logo, essa malícia depende dos maus objetos que o homem ama. E o mesmo se deve dizer da bondade.

SOLUÇÃO. ― Conforme já se disse2, o bem e o mal das ações, como das demais coisas, depende da plenitude ou da deficiência do ser. Ora, o que em primeiro lugar concorre para tal plenitude é aquilo que especifica. E assim como a forma é a que especifica um ser natural, assim o objeto é o que especifica o ato, como o termo, o movimento. Por onde, assim como a bondade primeira de um ser natural depende da sua forma, que o especifica, assim a primeira bondade do ato moral depende do objeto conveniente; e por isso alguns costumam falar do que é bom, no seu gênero, como, p. ex., usar o que se possui. E assim como, nos seres naturais, o primeiro mal consiste em o ser gerado não conseguir a sua forma específica, p. ex., se a geração, em vez de produzir um homem, produz outro ser, assim também o primeiro mal nos atos morais, é o procedente do objeto, como tomar o bem de outrem. E este se chama o mal no seu gênero, tomando gênero no sentido de espécie, como quando dizemos gênero humano para significar toda a espécie humana.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Embora as coisas exteriores sejam em si mesmas boas, nem sempre contudo mantêm a proporção devida com tal ação ou tal outra; e por isso, consideradas como objetos de tais ações, cessam de ser boas.

RESPOSTA À SEGUNDA. ― O objeto não é a matéria da qual procede a ação, mas a matéria sobre a qual ela recai; e exerce de certo modo a função de forma, enquanto especifica.

RESPOSTA À TERCEIRA. ― Nem sempre o objeto de uma ação humana é o de uma potência ativa. Pois, a potência apetitiva é de certo modo passiva, enquanto movida pelo objeto desejado, e contudo é princípio de atos humanos. Além disso, os objetos das potências ativas não são eleitos senão quando já transformados; assim, o alimento transformado é o efeito da potência nutritiva; ao passo que o ainda não transformado é como a matéria sobre a qual age essa potência. Demais disso, sendo o objeto de certo modo efeito da potência ativa, resulta que é o termo da ação dela. E por conseqüência dá-lhe a forma e a espécie, pois o movimento se especifica pelo termo. E embora a bondade de uma ação não seja causada pela bondade do seu efeito, contudo chamamos boa a ação capaz de produzir bom efeito; de modo que na proporção entre a ação e o efeito consiste a razão mesma da sua bondade.
1. III De doct. Christ., cap. XII.
2. Q. 18, a. 1.