Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 5 ― Se a violência causa o involuntário.

[ ]

(Infra. q. 73. a . 6; III Ethic., lect. I).

O quinto discute-se assim. ― Parece que a violência não causa o involuntário.

1. ― Pois, voluntário e involuntário procedem da vontade. Ora, esta, como já se disse, não pode ser violentada. Logo, a violência não pode causar o involuntário.

2. Demais. ― O involuntário é acompanhado de tristeza, como diz Damasceno1 e o Filósofo2. Ora, podemos às vezes sofrer violência sem nos contristarmos. Logo, ela não causa o involuntário.

3. Demais. ― O que procede da vontade não pode ser involuntário. Ora, há certa violência procedente da vontade; assim quando alguém sobe, carregando um corpo pesado; e quando inflecte os membros contra a flexibilidade natural deles. Logo, a violência não causa o involuntário.

Mas, em contrário, diz Damasceno3 e o Filósofo4, que há involuntário por violência.

SOLUÇÃO. ― A violência se opõe diretamente ao voluntário, como também ao natural. Pois a um e outro é comum proceder de princípio intrínseco, pela razão seguinte. Assim como no ser carente de conhecimento, a violência causa o que vai contra a natureza; assim, nos seres que conhecem, a violência produz o que vai contra a vontade. Ora, assim como o que vai contra a natureza se chama inatural, assim, o que vai contra a vontade, involuntário. Por onde, a violência causa o involuntário.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — O involuntário se opõe ao voluntário; pois, como já se disse5, voluntário se chama não só o ato procedente, imediatamente, da vontade mesma, mas também o imperado por ela. Quanto ao primeiro, a vontade não pode ser violentada, como já se disse6; por onde, a violência não pode tornar tal ato involuntário. Mas, quanto ao ato imperado, a vontade pode padecer violência e então, relativamente a tal ato, a violência causa o involuntário.

RESPOSTA À SEGUNDA. ― Assim como se chama natural ao que é conforme a inclinação da natureza, assim, voluntário ao que é conforme à da vontade. Ora, natural se toma em dupla acepção. Numa, significa o procedente da natureza como princípio ativo; assim; aquecer é natural ao fogo. Noutra, como princípio passivo, e isso porque há, em a natureza, inclinação a receber a ação de princípio extrínseco; assim, diz-se que é natural o movimento do céu, por causa da aptidão natural do corpo celeste a tal movimento. Embora seja motor voluntário. E semelhantemente, voluntário pode ser tomado em dupla acepção. Numa, relativo à ação, como quando alguém quer fazer alguma coisa; noutra, relativo à paixão, como quando alguém quer sofrer alguma coisa, de outrem. Por onde, sendo a ação causada por algo exterior, e permanecendo, no qual sofre, a vontade de sofrer, não há, no caso, violento em si; porque, embora o que sofre não contribua para a ação, contribui contudo, querendo sofrer e, por isso, não pode ser considerado involuntário.

RESPOSTA À TERCEIRA. ― Como diz o Filósofo7, o movimento do animal pelo qual às vezes se move contra a inclinação natural do corpo, embora não seja natural a este, é contudo de certo modo natural ao animal, porque lho é o ser movido conforme o apetite. E portanto, não há violento, absoluta, mas relativamente falando. E o mesmo devemos dizer quando inflectimos os membros contra a disposição natural. Pois isto é violento relativamente, a saber, quanto ao membro particular; não porém absolutamente, quanto ao homem agente, em si mesmo.
1. Lib. II Orth. Fid., cap. XXIV.
2. III Ethic., lect. IV.
3. Loc. Cit.
4. Lect. I.
5. Q. 6, a. 4.
6. Ibid.
7. VIII Physic., lect. VII.