Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Questão 113: Da justificação do ímpio, que é efeito da graça operante.

Em seguida devemos tratar dos efeitos da graça. E primeiro, da justificação do ímpio, efeito da graça operante. Segundo, do mérito, efeito da graça cooperante.

Na primeira questão discutem-se dez artigos:

Art. 1 – Se a justificação do ímpio é a remissão dos pecados.
Art. 2 – Se, para a remissão da culpa, que é a justificação do ímpio, é necessária a graça infusa.
Art. 3 – Se, para a justificação do ímpio, é necessária a moção do livre arbítrio.
Art. 4 – Se, para a justificação do ímpio, é necessária a moção da fé.
Art. 5 – Se, para a justificação do ímpio, é necessária a moção do livre arbítrio contra o pecado.
Art. 6 – Se a remissão dos pecados deve ser enumerada entre as condições exigidas para a justificação do ímpio.
Art. 7 – Se a justificação do ímpio é instantânea ou sucessiva.
Art. 8 – Se a infusão da graça é, na ordem da natureza, a primeira das condições exigidas para a justificação do ímpio.
Art. 9 – Se a justificação do ímpio é a máxima obra de Deus.
Art. 10 – Se a justificação do ímpio é obra milagrosa.