Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 2 — Se o pecado original está mais na essência da alma que nas potências.

(II Sent., dist. XXXI, q. 2, a. 1; De Verit., q. 25, a. 6; q. 27, a. 6, ad 2; De Malo, q. 4, a. 4).

O segundo discute-se assim. — Parece que o pecado original não está mais na essência da alma que nas potências.

1. — Pois é natural à alma ser sujeito do pecado, por poder ser movida pela vontade. Ora, não a essência da alma é a movida pela vontade, mas sim as suas potências. Logo, o pecado original não atingiu a essência da alma, mas só as suas potências.

2. Demais. — O pecado original se opõe à justiça original. Ora, esta havia de estar em alguma potência da alma, sujeito da virtude. Logo, também o pecado original está mais nas potências que na essência da alma.

3. Demais. — Assim como da carne o pe­cado original derivou para a alma, assim da essência desta derivou-lhe para as potências. Ora, o pecado original está mais na alma que na carne. Logo, também mais nas potências, que na essência da alma.

4. Demais. — Tem-se como concupiscên­cia o pecado original, conforme já se disse. Ora, a concupiscência tem sua sede nas potências da alma. Logo, também o pecado original.

Mas, em contrário, o pecado original é con­siderado um pecado natural, como já se disse. Ora, a alma é por essência, e não pelas suas po­tências, como já se estabeleceu na Primeira Par­te, a forma e a natureza do corpo. Logo, ela é principalmente e por essência o sujeito do pecado original.

SOLUÇÃO. — A alma é principalmente su­jeito de um pecado, pelo que a torna primariamente causa motora desse pecado. Assim, se a causa motiva do pecado for o deleite sensível, residente na potência sensitiva, como seu ob­jeto próprio, segue-se que essa potência é o sujeito próprio desse pecado. Ora, é manifesto, o pecado original foi causado pela geração. Por­tanto, por onde a alma entra primeiramente em contato com a geração do homem, por aí ela é o sujeito primeiro do pecado original. Ora, a geração entra em contato com a alma, como seu termo, enquanto forma do corpo, o que por essência própria lhe convém, segundo já demonstramos na Primeira Parte. Logo, a alma é por essência o sujeito primeiro do pecado original.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Assim como o movimento da vontade do ho­mem atinge-lhe propriamente, as potências, e não a essência da alma, assim o movimento da von­tade do primeiro gerador atinge primeiramente, por via da geração, a essência da alma, como já se disse.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Também a jus­tiça original se inclina, primordialmente na essência da alma;pois, era um dom de Deus à natureza humana, próprio mais de tal essência, que das suas potências. Pois, estas pertencem mais à pessoa, enquanto princípio de atos pes­soais. Por onde, os sujeitos próprios dos pecados atuais é que são pecados pessoais.

RESPOSTA À TERCEIRA. — O corpo está para a alma como a matéria para a forma; esta, em­bora posterior na ordem da geração, é anterior na da perfeição e da natureza. Ora, a essência da alma está para as potências, como o sujeito para os acidentes próprios, posteriores ao su­jeito, tanto na ordem da geração, como na da perfeição. Portanto a comparação não colhe.

RESPOSTA À QUARTA. — A concupiscência desempenha, no pecado original, o papel de matéria e conseqüência, segundo já se disse.