Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 2 – Se a audácia se opõe à coragem.

O segundo discute–se assim. – Parece que a audácia não se opõe à coragem.

1. – Pois, parece que o excesso, na audácia, provém da presunção da alma, Ora, a presunção implica a soberba, oposta à humildade. Logo, a audácia mais se opõe à humildade, que à coragem,

2. – Demais. – Parece que a audácia só é repreensível quando causa dano ao audaz que se expõe sem razão ao perigo; ou a outrem, atacando–o com a sua audácia ou fazendo–o cair no perigo. Ora, isto constitui Injustiça. Logo, a audácia, enquanto pecado, não se opõe à coragem, mas à justiça.

3. – Demais. – A coragem versa sobre o temor e a audácia, como se disse, Ora, a timidez, opondo–se à coragem por implicar excesso de temor, implica um vício, que se lhe opõe por falta de temor. Logo, se a audácia se opõe à coragem, por excesso, pela mesma razão há de se lhe opor algum vício, por falta de audácia. Ora, tal não se dá. Logo, também a audácia não deve ser considerada vício oposto à coragem.

Mas, em contrário, o Filósofo considera a audácia como oposta à coragem.

SOLUÇÃO. – Como dissemos, é função da virtude moral fazer–nos observar o modo prescrito pela razão, na matéria sobre a qual versa. Portanto, todo vício que introduz a imoderação na matéria de uma virtude moral, se opõe a essa virtude, como o imoderado, ao moderado. Ora, a audácia, enquanto vício implica um excesso de paixão, chamado audácia. Por onde é claro que se opõe à virtude da coragem, que versa sobre o temor e a audácia, como dissemos.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. – A oposição entre o vício e a virtude não tem seu fundamento principal na causa do vício, mas, na espécie mesma dele. Por onde, não há de necessariamente a audácia se opor à mesma virtude a que se opõe a presunção, que é a causa da audácia.

RESPOSTA À SEGUNDA. – Assim como a oposição direta dos vícios entre si não se funda na causa deles, assim também não, no efeito dos mesmos. Ora, o dano proveniente da audácia é um efeito dela, Por isso, não é um fundamento de sua oposição.

RESPOSTA À TERCEIRA – A ação da audácia consiste em afrontarmos o que se nos opõe, e a isso nos inclina a natureza; salvo, quando essa inclinação fica neutralizada pelo medo de sofrer o dano daí resultante. Por onde, o vício contrário à audácia, por excesso, só pode ter como contrário a falta de timidez; pois, como diz o Filósofo, os audaciosos precipitam–se cheios de ardor nos perigos, mas; quando os veem de perto, retiram–se, isto é, de medo.