Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 4 – Se a hipocrisia é sempre pecado mortal.

O quarto discute–se assim. – Parece que a hipocrisia sempre é pecado mortal.

1. – Pois, como diz Jerônimo, dos dois males seguintes: é mais leve pecar abertamente do que simular a santidade. E aquilo de Jó – Como foi do agrado do Senhor, etc. – diz a Glosa: A equidade simulada não é equidade mas, duplo pecado. E diz ainda àquilo da Escritura ­ A iniquidade da filha do meu povo se fez maior que o pecado de Sodoma: Devemos lamentar os pecados da alma que cai na hipocrisia, pois, a sua iniquidade é maior que a de Sodoma. Ora, os pecados dos Sodomitas eram mortais. Logo, também a hipocrisia é sempre pecado mortal.

2. Demais. – Gregório diz que os hipócritas pecam por malícia. Ora, isto é gravíssimo porque constitui o pecado contra o Espírito Santo. Logo, o hipócrita sempre peca mortalmente.

3. Demais. – Ninguém merece a ira de Deus e o ser excluído da visão divina, senão por causa de pelado mortal. Ora, nela hipocrisia, certos merecem a ira de Deus, como refere a Escritura: Os dissimulados e dobres de coração provocam contra si a ira de Deus. E também o hipócrita está excluído da visão divina, ainda segundo a Escritura: Nenhum hipócrita ousará aparecer diante de seus olhos. Logo, a hipocrisia sempre é pecado mortal.

Mas, em contrário, a hipocrisia, sendo uma forma de simulação, é a mentira das obras. Ora, nem toda mentira por obras é pecado mortal. Logo, nem toda hipocrisia o é.

Demais. – A intenção do hipócrita está em querer passar por bom. Ora, isto não se opõe à caridade. Logo, a hipocrisia não é em si mesma, pecado mortal.

Demais. – A hipocrisia nasce da vanglória, como diz Gregório. Ora, a vanglória nem sempre é pecado mortal. Logo, nem a hipocrisia.

SOLUÇÃO. – Dois elementos devemos considerar na hipocrisia; a falta, e a simulação da santidade. – Se, pois, chama–se hipócrita aquele que busca intencionadamente o duplo Em – não curar da santidade e só parecer santo, como costuma dizer a Escritura, então é claro que a hipocrisia é pecado mortal. Pois, só o pecado mortal é que nos priva totalmente da santidade. – Se, porém, chamarmos hipócrita aquele que simula intencionadamente urna santidade, que perde pelo pecado mortal, então, embora esteja em estado de pecado mortal, que o priva da santidade, nem por isso a sua simulação é sempre pecado mortal, podendo às vezes ser venial. O que se descobre, considerando o fim visado. Se este repugnar à caridade de Deus ou à do próximo, o pecado será mortal; por exemplo, se simula a santidade para propagar uma doutrina falsa, ou alcançar uma dignidade eclesiástica da qual é indigno ou obter qualquer outro bem temporal, em que colocou o seu fim. Mas, se o fim intencionado não contrariar à caridade, o pecado será venial; por exemplo. Se se compraz na ficção em si mesma; sendo então, como diz o Filósofo antes vão do que mau. E o mesmo se deve dizer da mentira e da simulação. – Pode, porém dar–se, às vezes, que alguém simule uma perfeição de santidade, não necessária para a salvação. E tal simulação nem sempre é pecado mortal, nem vai sempre acompanhada de pecado mortal.

Donde se deduzem claras as RESPOSTAS ÀS OBJEÇÕES.