Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 2 – Se a revelação profética se faz por meio dos anjos.

O segundo discute–se assim. – Parece que a revelação profética não se faz por meio dos anjos.

1. – Pois, diz a Escritura, que a sabedoria de Deus se transfunde nas almas santas e forma os amigos de Deus e os profetas. Ora, os amigos de Deus ele os forma imediatamente também forma os profetas imediatamente mediante os anjos.

2. Demais. A profecia é classificada entre as graças gratuitas. Ora, é o Espírito Santo quem dá as graças gratuitas, segundo o Apóstolo: Há repartição de graças, mas um mesmo é o Espírito. Logo, a revelação profética faz–se mediante o anjo.

3. Demais. – Cassiodoro diz, que a profecia é uma revelação divina. Se, pois, fosse feita por meio dos anjos chamar–se–ia revelação angélica. Logo, a profecia não se faz por meio dos anjos.

Mas, em contrário, diz Dionísio: Os gloriosos pais nossos alcançaram as visões divinas por meio das virtudes celestes. Ora, ele aí se refere as visões proféticas. Logo, a revelação profética se faz mediante os anjos.

SOLUÇÃO. – Como diz o Apóstolo, as causas de Deus são ordenadas. Ora, a ordem da divindade exige, como ensina Dionísio, que as causas ínfimas sejam dispostas por meio das médias. Ora, os Anjos são medianeiros entre Deus e os homens, como mais participantes, que os homens, da perfeição da divina bondade. Logo, as iluminações e as revelações divinas Deus as defere aos homens por meio dos anjos. Ora, o conhecimento profético se faz pela iluminação e pela revelação divinas. Por onde, manifestamente se faz por meio dos anjos.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. – A caridade, tornando o homem amigo de Deus, é uma perfeição da vontade, que só Deus pode nela imprimir. Ora, a profecia é uma perfeição do intelecto, a qual também os anjos podem imprimir nele, como dissemos na Primeira Parte. Por isso, não há semelhança nessa comparação.

RESPOSTA À SEGUNDA. – As graças gratuitas atribuem–se ao Espírito Santo, como ao princípio primeiro, o qual, contudo, infunde tais graças nos homens, mediante o ministério dos anjos.

RESPOSTA À TERCEIRA. – A obra de um instrumento se atribui ao agente principal, por virtude do qual o instrumento opera. Ora, sendo o ministro um quase instrumento, por isso, a revelação profética feita pelo ministério dos anjos se chama divina.