Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 6 — Se ser santificada no ventre materno foi, depois de Cristo, próprio à Santa Virgem.

O sexto discute-se assim. — Parece que ser santificada no ventre materno foi, depois de Cristo, próprio à Santa Virgem.

1. — Pois, corno se disse, a Santa Virgem foi santificada no ventre materno para tornar-se, assim, idônea a ser Mãe de Deus. Ora, isto lhe foi próprio a ela. Logo, só ela foi santificada no ventre materno.

2. Demais. — Certos foram mais próximos de Cristo, que Jeremias e João Batista, dos quais refere a Escritura, que foram santificados no ventre materno. Pois, Cristo é especialmente chamado filho de Davi e de Abraão, por causa da promessa a eles especialmente feita, a respeito de Cristo. E também Isaías mui expressamente profetou sobre Cristo. Os Apóstolos, por seu lado, conviveram com o próprio Cristo. E contudo de nenhum desses se lê que fosse santificado no ventre materno. Logo, nem Jeremias nem João Batista poderiam tê-lo sido.

3. Demais. — Jó diz de si: Desde a minha infância cresceu comigo a comiseração, e do ventre de minha mãe saía comigo. Nem por isso, contudo, dizemos que foi santificado no ventre materno. Logo, também não somos forçados a admitir que João Batista e Jeremias foram santificados no ventre materno.

Mas, em contrário, diz a Escritura, de Jeremias: Antes que eu te formasse no ventre de tua mãe, te santifiquei. E, de João Batista: Já desde o ventre de sua mãe será cheio do Espírito Santo.

SOLUÇÃO. — Agostinho manifesta alguma dúvida quanto à santificação das duas referidas personagens, no ventre materno. Pois, diz, o saltor de João no ventre materno podia significar que esse tão grande acontecimento, a saber, que a mulher seria a Mãe de Deus, deveria ser conhecido pelos pais da criança concebida, e não por ela. Por isso, o Evangelho não diz – O menino creu, no ventre, mas — deu saltos. Ora, saltos nós os vemos darem não só as crianças, mas também os animais. Mas, os de que tratamos foram insólitos, por terem sido no ventre materno. E assim, como soem se fazerem os milagres, esses saltos o menino os deu por ação divina e não por suas próprias e humanas forças. Embora também pudéssemos admitir que, nesse menino, o uso da razão e da vontade foi de tal modo precoce que, ainda nas vísceras maternas, já pudesse conhecer, crer, consentir, o que só em idade mais avançada o podem as outras crianças; e isso penso dever ser atribuído a milagre do poder divino.

Mas, como o Evangelho diz expressamente de João, que já desde o ventre de sua mãe será cheio do Espírito Santo; e também expressamente, de Jeremias: Antes que eu te formasse no ventre de tua mãe te santifiquei, devemos admitir, que foram santificados no ventre materno, embora não tivessem o uso do livre arbítrio, que é questão levantada por Agostinho; assim como também as crianças santificadas pelo batismo não tem desde então o uso do livre arbítrio. Nem devemos crer que quaisquer outros fossem santificados no ventre materno, dos quais nenhuma menção faz a Escritura; pois, tais privilégios da graça, conferidos a certos fora da lei geral, ordenam-se ao privilégio dos outros, segundo o Apóstolo: A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito. Ora, essa utilidade seria nula se a Igreja não soubesse quem fosse santificado no ventre materno. E embora não possamos par razão dos juízos de Deus e porque foi esse dom da graça conferido a um, de preferência a outro, foi contudo conveniente que João Batista e Jeremias fossem santificados no ventre materno, para prefigurarem a santificação que havia de ser operada por Cristo. Primeiro, pela sua paixão, conforme aquilo do Apóstolo: Também Jesus, para que santificasse ao povo pelo seu sangue, padeceu fora da porta. Cuja paixão, Jeremias mui claramente anunciou, com palavras e com mistérios, e pelos seus sofrimentos muito expressamente prefigurou. Segundo, pelo batismo, como o diz o Apóstolo: Mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados. Para cujo batismo João preparou os homens, pelo seu batismo.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — A Santa Virgem, escolhida por Deus como mãe, recebeu mais ampla graça de santificação que João Batista e Jeremias, que foram eleitos com especiais prefigurantes da santificação de Cristo. E a prova é que à Santa Virgem foi concedido que, no futuro, não pecasse, nem mortal nem venialmente; ao passo que aos outros santificados cremos lhes foi concedido que, no futuro não pecassem, por proteção da graça divina.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Por outros lados podiam os santos estar mais unidos a Cristo, que Jeremias e João Batista; os quais, contudo mais unidos estavam com ele, como figuras expressivas que eram, da santificação dele, como se disse.

RESPOSTA À TERCEIRA. — A comiseração a que se refere Jó não significa a virtude infusa, mas uma certa inclinação natural para o ato.