Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 3 — Se pela natividade temporal de Cristo, a Santa Virgem possa ser considerada sua mãe.

O terceiro discute-se assim. — Parece que pela natividade temporal de Cristo, a Santa Virgem não pode ser considerada sua mãe.

1. — Pois, como se disse, a Santa Virgem Maria não foi de nenhum modo princípio ativo na geração de Cristo, mas só ministrou a matéria. Ora, isso não basta para ser mãe; do contrário, poderíamos dizer que a madeira é mãe de um leito ou de um móvel. Logo, parece que a Santa Virgem não pode ser considerada mãe de Cristo.

2. Demais. — Cristo nasceu milagrosamente da Santa Virgem. Ora, uma geração milagrosa não basta para constituir a maternidade nem a filiação; assim, não dizemos que Eva foi filha de Adão. Logo, Cristo não deve ser considerado filho da Santa Virgem.

3. Demais. — A função da mãe é emitir o sêmen. Ora, como diz Damasceno, o corpo de Cristo não foi formado por via seminal, mas, constituído pelo Espírito Santo. Logo, parece que a santa Virgem não deve ser considerada mãe de Cristo.

Mas, em contrário, o Evangelho: A conceição de Cristo foi desta maneira: Estando já Maria, sua mãe, desposada com José, etc.

SOLUÇÃO. — A Santa Virgem foi verdadeira e naturalmente a mãe de Cristo. Pois, como dissemos, o corpo de Cristo não foi trazido do céu, como o pretendeu o herético Valentino; mas foi formado no ventre da virgem mãe do seu mais puro sangue. E isto basta para constituir a maternidade. como do sobredito resulta. Por onde, a Santa Virgem é verdadeiramente a mãe de Cristo.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Como dissemos, a paternidade ou a maternidade e a filiação não têm lugar em qualquer geração, mas só na geração dos seres vivos. Por onde, era seres inanimados, feitos de qualquer matéria, não há relação de maternidade e de filiação; mas só na geração dos vivos, chamada propriamente natividade,

RESPOSTA À SEGUNDA. — Como diz Damasceno; a natividade temporal, pela qual Cristo nasceu, para a nossa salvação. é de certo modo, como a nossa, porque nasceu, como homem de uma mulher e dentro do tempo natural à concepção. Mas. de maneira superior à nossa, porque foi fora da lei da concepção, formado, não por via seminal. mas pelo Espirito Santo. no ventre da Santa Virgem. Assim, pois, pela sua matéria a natividade de Cristo foi natural; mas foi milagrosa pela obra do Espírito Santo. Por onde, verdadeira e naturalmente, a Santa Virgem foi a mãe de Cristo.

RESPOSTA À TERCEIRA. — Como dissemos, a emissão do sêmen feminino não é de necessidade para a concepção. E por isso, essa emissão não é necessária para constituir a maternidade.