Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 10 — Se o confirmado deve ser sustido por outrem ao receber a confirmação.

O décimo discute-se assim. — Parece que o confirmado não deve ser sustido por ninguém ao receber a confirmação.

1. — Pois, este sacramento é conferido não só às crianças, mas também aos adultos. Ora, os adultos podem estar em pé por si mesmos. Logo, é ridículo serem sustidos por outrem.

2. Demais. — Quem já pertence à Igreja tem acesso livre ao príncipe dela, que é o bispo. Ora, este sacramento, como se disse, só é confe­rido ao batizado, que já é membro da Igreja. Logo, parece que não deve ser conduzido por outrem ao bispo, para receber esse sacramento.

3. Demais. — Este sacramento é conferido para nos dar a robustez espiritualmente. Ora esta é maior no homem que na mulher, segundo aquilo da Escritura: Quem achará uma mulher forte? Logo pelo menos a mulher não deve suster o homem, na confirmação.

Mas, em contrário, Inocêncio Papa diz e está nas Decretais: Se um dos dois cônjuges recebeu ao sair da fonte ou susteve para o crisma uma criança, filho ou filha de outra família, etc. Logo, assim como é necessário que outrem retire o batizado da sagrada fonte, assim é preciso que também alguém sustenha o que vai receber o sacramento da confirmação.

SOLUÇÃO. — Como dissemos, este sacramento é conferido para nos dar a força no combate espiritual. Pois, assim como um recém-nascido precisa de quem o guie na manutenção da vida segundo àquilo do Apóstolo – Na verdade tive­mos a nossos pais carnais, que nos corrigiam, e os olhávamos, com respeito – assim também os que devem sustentar o combate precisam de guias que os instruam no pertinente ao modo de com­bater. Por isso, nas guerras deste mundo constituem-se chefes e centuriões pelos quais os outros são governados. Pela mesma razão tam­bém aquele que recebe este sacramento é sustido por outrem, que por assim dizer deverá atingi-lo no combate. – Semelhantemente como este sa­cramento nos confere a perfeição da idade espi­ritual, como se disse, por isso quem a ele se achega é sustido, como tendo espiritualmente a fraqueza da criança.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Embora o confirmado seja adulto corporalmente, não o é espiritualmente.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Embora o batizado se torne membro da Igreja, contudo não está ainda adscrito na milícia cristã. Por isso é con­duzido ao bispo, como ao chefe do exército, por outro já adscrito nessa milícia. Pois, não é quem ainda não recebeu a confirmação, que deve acompanhá-lo.

RESPOSTA À TERCEIRA. — Como diz o Apóstolo, em Jesus Cristo não há homem nem mulher. Por isso não importa que seja um homem ou uma mulher quem sustem o confirmando.