Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 6 — Se o cordeiro pascal foi a figura precípua deste sacramento.

O sexto discute-se assim. — Parece que o cordeiro pascal não foi a figura precípua deste sacramento.

1. — Pois, Cristo é chamado sacerdote segun­do a ordem de Melquisedeque, porque Melquisedeque fez a figura do sacrifício de Cristo, ofere­cendo o pão e o vinho, como lemos na Escritura. Ora, a expressão da semelhança faz com que os semelhantes sejam designados um pelo outro. Logo, parece que a oblação de Melquisedeque foi a figura precípua dêste sacramento.

2. Demais. — A passagem do Mar Vermelho foi a figura do batismo, segundo aquilo do Apóstolo: Todos foram batizados na nuvem e no mar. Ora, a imolação do cordeiro pascal precedeu à passa­gem do Mar Roxo, a que se seguiu o maná, como a Eucaristia é subsequente ao batismo. Logo, o maná é uma figura mais expressiva deste sacra­mento, do que o cordeiro pascal.

3. Demais. — A principal virtude deste sacramento é introduzir-nos no reino dos céus, co­mo um viático. Ora, isso foi sobretudo o prefigu­rado no sacramento da expiação, quando o pontí­fice entrava uma vez no ano com o sangue, no santo dos santos, como o explica o Apóstolo. Logo, parece que esse sacrifício era uma figura mais expressiva da Eucaristia que o cordeiro pascal.

Mas, em contrário, o Apóstolo: Cristo, que é a nossa Páscoa, foi imolado e assim solenizemos o nosso convite com os asmos da sinceridade e da verdade.

SOLUÇÃO. — Três coisas podemos considerar neste sacramento, a saber: o que é só sacramen­to — o pão e o vinho; o que é realidade e sacra­mento — o verdadeiro corpo de Cristo; e o que é só realidade – o efeito deste sacramento. ­Quanto, pois, ao que é só sacramento, a princi­palíssima figura dele foi a oblação de Melquisedeque, que ofereceu o pão e o vinho. — Quando o Cristo padecente, que está contido neste sacra­mento, figura dele foram todos os sacrifícios do Testamento Velho; e sobretudo o sacramento da expiação, que era soleníssimo. — Quanto enfim ao efeito, a sua principal figura foi o maná, que tinha em si a suavidade de todo o saber no dizer da Escritura, assim como a graça deste sacra­mento nos fortalece a alma para tudo. Mas o cordeiro pascal prefigurava a Eucaristia nos seus três elementos referidos. — Quanto ao primeiro, porque era comido com os pães as­mos, segundo a Escritura: Comerão a carne e pães asmos. – Quanto ao segundo, porque era imolado por toda a multidão dos filhos de Israel na décima quarta lua; o que era a figura da pai­xão de Cristo, chamado cordeiro, por causa da sua inocência. — Quanto enfim ao efeito, por­que pelo sangue do cordeiro pascal os filhos de Israel foram protegidos contra o anjo devastador, e tirados da escravidão do Egito.

E por isso é considerado como a figura precípua deste sacramento o cordeiro pascal, pela representar em tudo. Donde se deduzem claras as respostas às objeções.