Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 4 — Se o pecado venial pode ser remitido, sem que o mortal o seja.

O quarto discute-se assim. — Parece que o pecado venial pode ser remitido sem que o mor­tal o seja.

1. — Pois, aquilo do Evangelho — O que de vós outros está sem pecado seja o primeiro que a apedrejá-la — diz uma Glosa: Todos esses estavam em pecado mortal; pois, os veniais lhes eram perdoados pelas cerimônias da Lei. Logo, o pecado venial pode ser remitido sem que o mortal o seja.

2. Demais. — Para a remissão do pecado venial não é necessária a infusão da graça. Mas é necessária para a remissão do pecado mortal. Logo, o pecado venial pode ser remitido sem que o mortal o seja.

3. Demais. — Mais dista um pecado venial de um mortal que de outro venial. Ora, um venial pode ser perdoado sem o ser outro, como se disse. Logo, um pecado venial pode ser per­doado sem que o seja o mortal.

Mas, em contrário, o Evangelho: Em ver­dade te digo que não sairás de lá, isto é, do cárce­re, no qual o pecado mortal mete o homem, até não pagares o último ceitil, que significa o pecado venial. Logo, o pecado venial não pode ser perdoado sem que o seja também o mortal.

SOLUÇÃO. — Como dissemos o perdão de qualquer culpa nunca é possível senão em virtude da graça. Pois, como diz o Apóstolo, a gra­ça divina faz com que o pecado de um homem não lhe seja imputado por Deus. O que a Glo­sa a esse lugar expõe como relativo ao pecado venial. Ora, quem vive em pecado mortal está privado da graça de Deus. Por onde, nenhum pecado venial lhe pode ser perdoado.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Por pecados veniais se entendem, no lugar adu­zido, as irregularidades ou imundícies, que se contraiam em virtude da Lei.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Embora para a re­missão do pecado venial não seja necessária uma nova infusão da graça habitual, é preciso porém algum ato da graça, de que não é susceptível quem está em pecado mortal.

RESPOSTA À TERCEIRA. — O pecado venial não exclui totalmente a ação da graça, pela qual podem ser perdoados todos os pecados veniais. Ao passo que o pecado mortal exclui totalmente o hábito da graça, sem o qual não pode ser perdoado nenhum pecado — mortal ou venial. Logo, não há semelhança de razão.