Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1 — Se em Cristo houve pecado.

O primeiro, discute-se assim. — Parece que em Cristo houve pecado.

1. — Pois, diz a Escritura: Deus, Deus meu, meu, porque me desamparaste? Os clamores de meus pecados são causa de estar longe de mim a salvação. Ora, as palavras foram ditas. da pessoa mesma de Cristo, como o mostram as que ele proferiu na cruz. Logo, parece que Cristo cometeu pecados.

2. Demais. — O Apóstolo diz que em Adão todos pecaram, porque nele estavam originalmente. Ora, Cristo também. estava originalmente em Adão. Logo, nele pecou.

3. Demais. — O Apostolo diz: À vista de tudo quanto ele padeceu e em que foi tentado, é poderoso para ajudar também aqueles que são tentados. Ora, nós precisávamos do, seu auxílio sobretudo contra o pecado. Logo, pareceu que nele houve pecado.

4. Demais. — O Apóstolo diz que Deus aquele que não havia conhecido pecado, isto é, Cristo, o fez pecado por nós. Ora, verdadeiramente é aquilo que Deus faz. Logo, em Cristo houve verdadeiramente pecado.

5. Demais. — Como diz Agostinho, no homem Cristo o Filho de Deus se deu a nós como um exemplo para a vida. Ora, o homem precisa de exemplo não só para viver retamente, mas também para fazer penitência dos pecados, Logo, parece que em Cristo devia haver pecado para que, fazendo penitência deles, nos desse o exemplo da penitência.

Mas, em contrário, o Evangelho: Qual de Vós me arguirá de pecado?

SOLUÇÃO. — Como dissemos, Cristo assumiu os nossos defeitos para que satisfizesse por nós e comprovasse a verdade da natureza humana e nos desse exemplo de virtude. E por essas três razões é manifesto que não devia assumir a miséria do pecado. – Primeiro, porque, o pecado em nada concorre para a satisfação; antes, impede a virtude da satisfação; pois, como diz a Escritura, o Altíssimo não aprova os dons dos iníquos. – Semelhantemente, também pelo pecado não se mostra a verdade da natureza humana, pois ele não pertence à natureza humana de que Deus é causa; antes, é .contra a natureza, introduzido pelo contágio do diabo, como diz Damasceno. – Terceiro, porque, pecando, não podia dar exemplo de virtude, pois, o pecado contraria. a virtude. Por isso Cristo de nenhum modo assumiu a miséria do pecado, nem do original nem do atual, segundo aquilo da Escritura: O que não cometeu pecado nem foi achado engano na sua boca.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Como diz Damasceno, de dois modos podemos afirmar alguma causa de Cristo. De um modo, referente à sua propriedade natural e hipostática, como quando dizemos que Deus se fez homem e sofreu por nós. De outro modo, quanto à sua propriedade pessoal e num sentido relativo, como quando dizemos alguma causa de nossa pessoa aplicando-a a ele, a qual de nenhum modo lhe convém em si mesmo considerado. Por isso, entre as sete regras de Ticónio, enunciadas por Agostinho, a primeira respeita, ao Senhor e ao seu corpo, pois que as pessoas de Cristo e da Igreja consideram-se uma só pessoa. E, a esta luz, Cristo, falando das pessoas dos seus membros, diz: Os clamores dos meus pecados; não querendo com isso significar que no próprio chefe houvesse pecados.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Como diz Agostinho, Cristo não existia em Adão e nos outros patriarcas absolutamente do mesmo modo pelo qual nós nele existimos. Pois, nós existimos em Adão pelo germem da nossa natureza e pela substância do nosso corpo porque, como ele próprio o diz no mesmo lugar, devemos distinguir na nossa origem a substância corpórea, visível, e a razão seminal, invisível. Mas Cristo assumiu da carne da Virgem a substância visível da sua carne; ao passo que a sua concepção original tem uma causa muito diferente do semem viril e muito superior a ele. Por isso não existiu em Adão pelo semem original, mas só pela substância do corpo. E portanto não recebeu ativamente de Adão a natureza humana, mas só materialmente, pois que, ativamente a recebeu do Espírito Santo; assim como também o próprio Adão recebeu o seu corpo, materialmente, do limo da terra, mas, ativamente, de Deus. Por onde, Cristo não pecou em Adão, em quem só pela matéria existiu.

RESPOSTA À TERCEIRA. — Cristo, com a sua tentação e a sua paixão veio em nosso socorro, satisfazendo por nós. Ora, o pecado não coopera para a satisfação; ao contrário; a impede, como dissemos. Por onde, importava não que em si tivesse pecado, mas que fosse absolutamente puro dele; do contrário, a pena que sofreu lhe teria sido devida pelo próprio pecado.

RESPOSTA À QUARTA. — Deus fez Cristo pecado, não para que tivesse em si o pecado, mas pelo ter feito hóstia pelo pecado, como diz a Escritura: Eles comerão dos pecados do meu povo, isto é, os sacerdotes que, segundo a lei, comiam as vítimas oferecidas pelo pecado. E, deste modo, diz a Escritura: O Senhor carregou sobre ele a iniquidade de todos nós, pelo ter entregado como vítima pelo pecado de todos os homens. Ou o fez pecado por ter a semelhança da carne do pecado, na expressão do Apóstolo. E isto por causa do corpo passível e mortal que assumiu.

RESPOSTA À QUINTA. — Um penitente pode dar exemplo louvável não pelo pecado que cometeu, mas por ter voluntariamente sofrido uma pena pelo pecado. E assim Cristo deu o exemplo máximo aos penitentes, querendo sofrer uma pena, não por qualquer pecado próprio, mas pelo pecado dos outros.