Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 7 ─ Se este sacramento tem uma forma.

O sétimo discute-se assim. ─ Parece que este sacramento não tem nenhuma forma.

1. ─ Pois, como a eficácia dos sacramentos vem da instituição, assim também da forma; e por isso é necessário que a forma seja determinada por aquele mesmo que instituiu o sacramento. Ora, a forma deste sacramento não foi ensinada nem por Cristo nem pelos Apóstolos. Logo, este sacramento não tem nenhuma forma.

2. Demais. ─ O necessário à validade do sacramento todos do mesmo modo o observam. Ora, nada é mais necessário a um sacramento, que tem forma, do que a forma mesma. Logo, como não há nenhuma forma comumente observada por todos neste sacramento, pois diversas são as palavras usadas, resulta que este sacramento não tem nenhuma forma.

3. Demais. ─ No batismo a forma é necessária só para a santificação do batismo, que é a água santificada pelo verbo de vida para apagar os crimes. Ora, este sacramento tem matéria já santificada antes. Logo, não precisa de nenhuma forma verbal.

Mas, em contrário, o Mestre das Sentenças diz, que todo sacramento da Lei Nova consiste em realidades e palavras. Ora, as palavras são a forma do sacramento. Logo, sendo este o sacramento da Lei Nova, parece que tem uma forma.

2. Demais. ─ É rito da Igreja universal usar de certas palavras na colação deste sacramento.

SOLUÇÃO. ─ Certos disseram que este sacramento não tem nenhuma forma necessária. ─ Mas isto encontra o efeito do mesmo. Pois, todo sacramento produz efeito pela sua significação. Ora, a significação da matéria não está presa a um efeito determinado ─ pois, pode ter muitas significações ─senão pela forma das palavras. Por isso, em todos os sacramentos da Lei Nova, que produzem o efeito que figuram, é necessário haja uma realidade e palavras. Além disso Tiago constitui toda a força deste sacramento na oração, forma dele, como depois se dirá. Por onde, a referida opinião é temerária e errônea. Por isso, é melhor seguir a opinião comum, que este sacramento tem, como os outros sacramentos, uma forma determinada.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA, OBJEÇÃO. ─ A Sagrada Escritura é proposta comumente a todos. Por isso, a forma do batismo, que pode ser conferido por todos, devia ser expressa na Sagrada Escritura. Semelhantemente, a da Eucaristia, que exprime a fé que devemos ter, de necessidade à salvação. Mas, as formas dos outros sacramentos não foram transmitidas pela Escritura; a Igreja as recebeu da tradição dos Apóstolos, que a receberam do Senhor, como diz o Apóstolo: Eu recebi do Senhor o que também vos ensinei a vós.

RESPOSTA À SEGUNDA. ─ As palavras que são da essência da forma, a saber, a oração deprecativa, são pronunciadas por todos; mas as que se acrescentam como complemento, nem todos as levam em conta.

RESPOSTA À TERCEIRA. ─ A matéria do batismo tem uma significação própria que lhes deu o contato mesmo com a carne do Salvador; da forma das palavras porém recebe a santificação atualmente santificante. Semelhantemente, depois da santificação da matéria deste sacramento, em si mesma, é necessário receba a santificação do uso, pela qual atualmente santifica.