Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1 — Se a deleitação é necessária à beatitude.

[ ]

(Supra, q. 3, a . 4; II Sent., dist. XXXVIII, a . 2; dist. XLIX, q. 1, a. 1, q ª 2; q. 3, a . 4, q ª 4; Compend. Theol., cap. CVII, CLXV; X Ethic., lect. VI).

O primeiro discute-se assim. — Parece que a deleitação não é necessária para a beatitude.

1. — Pois, como diz Agostinho, a visão é toda a mercê da fé1. Ora, o prêmio ou mercê da virtude é a beatitude, como se vê no Filósofo2. Logo, nada mais é necessário à beatitude, além da visão.

2. Demais. — A beatitude é o bem por si suficientíssimo, como diz o Filósofo3. Ora, o que necessita de qualquer outra coisa não é por si suficiente. Consistindo, pois, a essência da beatitude na visão de Deus, como já se demonstrou4, resulta que a deleitação não é necessária à beatitude.

3. Demais. — A operação da felicidade ou da beatitude há-de ser não impedida, como diz Aristóteles5. Ora, a deleitação impede a ação do intelecto, pois, corrompe a apreciação da prudência, conforme Aristóteles6. Logo, ela não é necessária para a beatitude.

Mas, em contrário, diz Agostinho7, que a beatitude é o alegrar-se com a verdade.

SOLUÇÃO. — De quatro modos se pode dizer que uma coisa é necessária a outra. Primeiro, como preâmbulo ou preparação; assim, a disciplina é necessária à ciência. Segundo, como aperfeiçoamento; assim, a alma é necessária à vida do corpo. Terceiro, como coadjuvante extrínseco; assim, amigos são necessários para fazer alguma coisa. Quarto, como algo de concomitante; assim, se dissermos que o calor é necessário ao fogo. E deste modo é que a deleitação é necessária à beatitude, pois é causada pelo repouso do apetite no bem alcançado. Por onde, não sendo a beatitude senão a obtenção do sumo bem, não pode ela existir sem a concomitante deleitação.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — A vontade de quem merece repousa só pelo fato de lhe ser feita mercê; o que é deleitar-se. Por onde, em a noção mesma de mercê feita já se inclui a deleitação.

RESPOSTA À SEGUNDA. — A deleitação resulta da visão mesma de Deus. Por onde, a quem vê a Deus não lhe pode faltar a deleitação.

RESPOSTA À TERCEIRA. — A deleitação concomitante à operação do intelecto não a impede, antes, a conforta, como diz Aristóteles8; pois, no que fazemos com prazer, agimos mais atenta e perseverantemente. Ao passo que a deleitação estranha impede a operação. Umas vezes, por distraimento da intenção, pois, como já se disse, a nossa intenção se dirige sobretudo aquilo com que nos deleitamos; e quando intencionamos veementemente uma coisa, necessário é que a nossa intenção se retraia de outras. Por vezes, também, por contrariedade; assim, a deleitação do sentido, contrária à razão, impede a ponderação da prudência mais do que a do intelecto especulativo.
1. I De Trin.
2. I Ethic.
3. I Ethic.
4. Q. 3 a. 8.
5. VII Ethic.
6. VI Ethic.
7. X Confess.
8. X Ethic.