Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1. – Se a coragem é uma virtude.

O primeiro discute–se assim. – Parece que a coragem não é uma virtude.

1. – Pois, diz o Apóstolo: A virtude se aperfeiçoa na enfermidade. Ora, a coragem sé opõe à enfermidade. Logo, a coragem não é uma virtude.

2. Demais. – Se é uma virtude ou é teológica, ou intelectual ou moral. Ora, a coragem não faz parte das virtudes teologais nem das intelectuais, como do sobredito resulta. E parece que também não é virtude moral. Porque, como diz o Filósofo, uns são corajosos por ignorância ou por experiência, como os soldados e essa coragem é antes o resultado do exercício de uma arte do que uma virtude moral. Outros são corajosos por paixão, por exemplo, por temor de ameaças ou da desonra; ou ainda por tristeza, ira ou esperança. Ora, a virtude moral não obra por paixão, mas, por eleição, como se disse. Logo, a coragem não é uma virtude.

3. Demais. – A virtude humana tem a sua sede na alma, principalmente; pois, é uma boa qualidade da alma, como se disse. Ora, a coragem depende do corpo ou pelo menos, da compleição dele. Logo, parece que a coragem não é uma virtude.

Mas, em contrário, Agostinho enumera a coragem entre as virtudes.

SOLUÇÃO. – Segundo o Filósofo, a virtude torna bom aquele que a tem e boa a sua obra. Por onde, a virtude humana, de que agora tratamos é a que nos torna bons e boas as nossas obras. Ora, o bem do homem é viver segundo a razão, no dizer de Dionísio. Por isso, o fim da virtude humana é tornar racional a vida e as ações do homem. O que de três modos pode dar–se. Primeiro, pela retificação mesma da razão, o que é obra das virtudes intelectuais. De outro, pela influência dessa retidão racional nos atos humanos; o que é obra da justiça. E de um terceiro modo, pela eliminação dos obstáculos à influência dessa retidão nos referidos atos. – Ora, de dois modos a vontade humana fica impedida de seguir à retidão da razão. Primeiro deixando–se desviar, por algum prazer, da prática de um ato que a razão condena; e este impedimento é eliminado pela virtude da temperança. De outro modo, deixando de obedecer à razão por causa de alguma dificuldade que se lhe opõe. E para arredar esse obstáculo é preciso a coragem da alma, que oponha resistência a tais dificuldades, assim como, peja coragem corporal arredamos e vencemos os obstáculos materiais. Por onde, é manifesto que a coragem é uma virtude, porque nos faz viver de acordo com a razão.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. – A virtude da alma não se aperfeiçoa na enfermidade da alma, mas, na da carne, à qual se refere o Apóstolo. Ora, à coragem da alma pertence suportar a enfermidade da carne, objeto da virtude da paciência ou da coragem. E reconhecer a nossa própria enfermidade é próprio da perfeição chamada humildade.

RESPOSTA À SEGUNDA. – Certos que não têm virtude às vezes praticam os atos exteriores dela, levados por alguma causa diversa da virtude. Por isso, o Filósofo concebe cinco modos pelos quais podemos nos assemelhar aos corajosos como que praticando atos de coragem, sem ter essa virtude. O que se pode dar de três modos. – Primeiro, quando somos levados a praticar ato difíceis como se não o fossem; o que ainda de três modos pode dar–se. Assim, às vezes o fazemos por ignorância, quando não percebemos a grandeza do perigo. Outras vezes, quando temos fundadas esperanças de vencer o perigo; por exemplo., porque por experiência sabemos que dele muitas vezes escapamos. Outras vezes ainda por uma certa ciência e arte, como é o caso dos soldados que, pela perícia que têm no manejo das armas e pelo exercício, não consideram graves os perigos da guerra, confiantes na sua arte de poderem se defender contra eles, como o diz Vegécio: Ninguém teme fazer o que sabe ter bem aprendido. – De outro, praticamos atos corajosos sem termos a virtude da coragem, por impulso da paixão: ou da tristeza. que queremos vencer, ou também da ira. – Em terceiro lugar, por eleição, não, certo, do fim devido; mas, de algum bem temporal a adquirir, por exemplo, a honra, o prazer ou o ganho; ou para evitar alguma desvantagem, por. exemplo, o vitupério, a aflição ou qualquer mal.

RESPOSTA À TERCEIRA. – A coragem da alma, como virtude, é assim chamada por semelhança com a coragem do corpo. Mas não contraria à Ideia de virtude quem, por natural temperamento, tiver natural inclinação para a virtude, como se disse.