Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 8 ─ Se os anjos serão julgados no juízo final.

O oitavo discute-se assim. – Parece que os anjos serão julgados no juízo final.

1. ─ Pois, pergunta o Apóstolo: Não sabeis que havemos de julgar aos anjos? Ora, isto não pode referir-se às condições da vida presente. Logo, deve referir-se ao juízo final.

2. Demais. ─ A Escritura diz de Behemoth, que significa o diabo: Será precipitado à vista de todos. E o demônio perguntou a Cristo, como o refere o Evangelho: Viestes a perder-nos antes do tempo. Comentário da Glosa: Os demônios, vendo o Senhor no mundo, pensavam que iam ser julgados imediatamente. Logo, parece que estão reservados para o juízo final.

3. Demais. ─ A Escritura diz: Se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas tirados pelos calabres do inferno, os precipitou no abismo, para serem atormentados e tidos como de reserva até o juízo. Logo, parece que os anjos serão julgados.

Mas, em contrário. ─ Deus não julgará duas vezes a mesma causa, diz a Escritura. Ora, os maus anjos já estão julgados, donde o dizer o Evangelho: O príncipe deste mundo já está julgado. Logo, Os anjos não serão julgados no juízo final.

2. Demais. ─ Os anjos superam, em bondade e em malícia, a maior parte dos homens neste mundo. Ora, certos homens, bons e maus, não serão julgados. Logo, também não serão julgados os anjos bons ou maus.

SOLUÇÃO. ─ O juízo para avaliar os méritos não se exercerá sobre bons anjos nem sobre os maus; porque nem os bons terão nenhum mal, nem os maus nenhum bem a ser discernido pelo juízo. Mas, se nos referimos ao juízo de retribuição, então devemos distinguir duas espécies de retribuição. ─ Uma correspondente aos méritos próprios dos anjos. E essa a receberam desde o princípio tanto os bons como os maus anjos, quando foram aqueles sublimados à felicidade e estes imersos na miséria. ─ Outra retribuição é a correspondente aos méritos ou deméritos adquiridos com a cooperação dos anjos. E essa se fará no juízo futuro, porque os bons anjos mais se regozijarão com a salvação daqueles para cujos méritos contribuíram, assim como mais serão torturados os maus com a condenação de maior número de maus, que eles incitaram ao mal, ─ Por onde, diretamente falando, não haverá juízo para os anjos, nem para o pronunciarem nem para lhe responderem, senão só para os homens. Mas, indiretamente, o juízo de certo modo lhes dirá respeito, na medida em que forem comparsas dos atos humanos.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. ─ Essas palavras do Apóstolo se referem ao juízo comparativo; porque certos homens aparecerão, no juízo final, superiores a certos anjos.

RESPOSTA À SEGUNDA. ─ Os próprios demônios serão precipitados à vista de todos, porque serão atirados ao cárcere perpétuo do inferno, donde não terão mais a liberdade de sair. Pois o saírem dele não lhes fora concedido senão na medida em que a providência divina o ordenara para provar a vida dos homens.

E a mesma resposta devemos dar à terceira objeção.