Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1 — Se o batismo dele todos os pecados.

O primeiro discute-se assim. — Parece que o batismo não dele todos os pecados.

1. — Pois, o batismo é um renascimento espiritual, correspondente à geração carnal. Ora, pela geração carnal só contraímos o pecado ori­ginal. Logo, o batismo nos livra só do pecado original.

2. Demais. — A penitência é a causa sufi­ciente da remissão dos pecados atuais. Ora, antes de receberem o batismo, os adultos devem fazer penitência, segundo aquilo da Escritura: Fazei penitência e cada um de vós seja batizado. Logo, o batismo não tem nenhum efeito, quanto à remissão dos pecados atuais.

3. Demais. — Para doenças diversas, remédios diversos; pois, como diz Jerônimo, não cura os olhos o que cura o calcanhar. Ora, o pecado original, delido pelo batismo, é genericamente diferente do pecado atual. Logo, o batismo não remite todos os pecados.

Mas, em contrário, a Escritura: Derramarei sobre vós uma água pura e sereis purificados de todas as vossas imundícias.

SOLUÇÃO. — Diz o Apóstolo: Todos os que fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados em sua morte. E depois conclui: Assim também vós considerai-vos que estais certamente mortos ao pecado, porém vivos para Deus em Nosso Senhor Jesus Cristo. Por onde é claro que, pelo batismo, morremos à vetustez do pecado e começamos a viver em a novidade da graça. Ora, todo pecado se prende a vetustez primitiva. Logo e consequentemente, todo pecado é delido pelo batismo.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — ­Como diz o Apóstolo, o pecado de Adão não pode tanto quanto o dom de Cristo, que recebemos no batismo: Porque o juízo se originou de um pecado para condenação, mas a graça procedeu de muitos delitos para justificação. Donde o dizer Agostinho: Com a geração da carne contraímos somente o pecado original; mas a rege­neração pelo Espírito produz a remissão, não só do pecado original, mas também dos voluntários.

RESPOSTA À SEGUNDA. — A remissão de ne­nhum pecado pode dar-se, senão por virtude da paixão de Cristo; por isso diz o Apóstolo, que sem efusão de sangue não há remissão. Por onde, o movimento da vontade arrependida não basta­ria para a remissão da culpa sem a fé na paixão de Cristo e o propósito de participar dela, quer pelo recebimento do batismo, quer pela sujeição aos chefes da Igreja. Portanto, quando um adulto penitente se achega ao batismo, recebe a remissão de todos os pecados, pelo desejo desse sacramento; mais perfeitamente porém quando realmente o recebe.

RESPOSTA À TERCEIRA. — A objeção colhe quanto aos remédios particulares. Ora, o ba­tismo obra em virtude da paixão de Cristo re­médio universal de todos os pecados; portanto, o batismo dele todos os pecados.