Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1 — Se é falsa a proposição: Deus é homem.

O primeiro discute-se assim. — Parece que é falsa o proposição: Deus é homem.

1 — Pois, toda proposição afirmativa, em matéria remota, é falsa. Ora, a proposição – Deus é homem, é em matéria remota, porque as formas significadas pelo sujeito e pelo predicado distam em máximo grau. Ora, sendo essa proposição afirmativa, é falsa.

2. Demais. — Mais convêm as três Pessoas divinas entre si, que a natureza humana com a divina. Ora, no mistério da Trindade, uma pessoa não é predicada de outra; assim, não dizemos que o Pai é o Filho, ou inversamente. Logo, parece que também a natureza humana não pode predicar-se de Deus, de modo a dizer-se que Deus é homem.

3. Demais. — Atanásio diz, que assim como a alma e a carne são um só homem, assim, Deus e homem constituem um só Cristo. Ora, é falsa a proposição – A alma é o corpo. Logo, também falsa é a outra: Deus é homem.

4. Demais. — Como se demonstrou na Primeira Parte, o predicado de Deus, não relativa mas absolutamente, convém a toda a Trindade e a cada uma das Pessoas. Ora, o nome homem não é relativo, mas absoluto. Se, pois, é verdadeiramente predicado de Deus, segue-se que toda a Trindade e qualquer das suas pessoas é homem. O que é evidentemente falso.

Mas, em contrário, o Apóstolo: O qual, tendo a natureza de Deus, se aniquilou a si mesmo, tomando a natureza de servo fazendo-se semelhante aos homens e sendo reconhecido na condição como homem. E assim, aquele que tem a natureza de Deus é homem. Ora, aquele que tem a natureza de Deus é Deus. Logo, Deus é homem.

SOLUÇÃO. — A proposição – Deus é homem todos os cristãos a concedem; mas não todos pela mesma razão. Pois, certos a concedem, mas não na acepção própria dos seus termos. — Assim, os Maniqueus consideram o Verbo de Deus como homem, mas não verdadeiro, senão só por semelhança, dizendo que o Filho de Deus assumiu um corpo imaginário; e então, dizemos que Deus é homem no mesmo sentido em que dizemos que é homem uma figura de cobre, por ter a semelhança humana. — Semelhantemente, também os que ensinavam não terem sido unidos, em Cristo, a alma e o corpo, não admitiam fosse Deus verdadeiro homem; mas que o era só figuradamente, em razão das partes. — Ora, ambas estas opiniões já foram refutadas.

Outros, porém, ao inverso, ensinam a verdade em relação ao homem, mas a negam. em relação a Deus. Pois, dizem que Cristo, sendo Deus e homem, é Deus, não por natureza, mas por participação, isto é, pela graça; assim como todos os varões santos se chamam deuses, mas, mais excelentemente, Cristo, que todos, por ter uma graça. mais abundante. E assim, quando dizemos — Deus é homem — a palavra Deus não supõe um Deus verdadeiro e de natureza divina. E tal foi a heresia de Fotino, supra refutada.

Outros, porém, concedem a referida proposição admitindo como verdadeiros ambos os seus termos e, portanto, que Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem; mas nem por isso salvam a verdade da predicação. Pois, dizem que homem é predicado, de Deus, por uma certa união de dignidade ou de autoridade ou ainda de afeto ou de habilitação. E assim Nestório ensinava que Deus é homem, não querendo com isso significar senão que Deus está unido ao homem por uma tal união, que Deus nele habita e lhe está unido pelo afeto e pela participação da autoridade e da honra divina. — E em semelhante erro caem todos os que introduzem duas hipóstases ou dois supostos em Cristo. Pois, não é possível entender-se que, de dois seres distintos pelo suposto ou pela hipóstase, um seja propriamente predicado do outro, senão só por um modo figurado de falar, enquanto tem algum ponto de união. Assim, se dissermos que Pedro é João, por terem alguma coisa que os une entre si. Ora, estas opiniões também já foram refutadas.

Por onde, supondo, segundo a verdade da fé, Católica, a união da verdadeira natureza divina com a verdadeira natureza humana, não só na pessoa, mas também no suposto ou na hipóstase, dizemos ser verdadeira e própria a proposição — Deus é homem. Não só pela verdade dos termos, isto é, por ser Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem, mas ainda pela verdade da predicação. Pois o nome que significa a natureza comum em concreto, pode ser suposto seja pelo que for que estiver contido nessa natureza comum; assim o nome de homem pode ser suposto por qualquer homem particular. Por onde, o nome de Deus, pelo modo mesmo da sua significação, pode ser suposto pela pessoa do Filho de Deus, como também já demonstramos na Primeira Parte. De qualquer suposto, porém, de uma natureza, pode ser verdadeira e propriamente predicado o nome significativo dessa natureza em concreto; assim, de Sócrates e de Platão é própria e verdadeiramente predicado a palavra homem. Ora, sendo a pessoa do Filho de Deus, pela qual é suposto o nome de Deus, o suposto da natureza humana, verdadeira e propriamente o nome de homem pode ser predicado do nome Deus, enquanto suposto pela pessoa do Filho de Deus.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Quando formas diversas não podem convir num mesmo suposto, então a proposição versa necessariamente sobre matéria remota, da qual o sujeito significa uma dessas formas e o predicado, a outra. Mas, quando duas formas podem convir num mesmo suposto, a matéria não é remota, mas, natural ou contingente, como quando digo – um homem branco é músico. Ora, a natureza divina e a humana, embora distantes uma da outra em máximo grau, contudo convêm, pelo mistério da Encarnação, num mesmo suposto, no qual nenhuma delas existe por acidente, mas por essência, Por onde, a proposição — Deus é homem — nem é em matéria remota nem em matéria contingente, mas em matéria natural. E o nome de homem é predicado de Deus, não acidentalmente, mas por essência, como da sua hipóstase; não por certo em razão da forma significada pelo nome de Deus, mas em razão do suposto, que é a hipóstase da natureza humana.

RESPOSTA À SEGUNDA. — As três Pessoas divinas convêm na mesma natureza, mas distinguem-se pelo suposto; e portanto não podem predicar-se uma de outra. Mas no mistério da Encarnação, as naturezas, por serem distintas, certamente não se predicam uma da outra, enquanto de significação abstrata, pois, não é a natureza divina a humana; mas, por terem o mesmo suposto, predicam-se uma da outra em concreto.

RESPOSTA À TERCEIRA. — Alma e carne tem significação abstrata, como a tem divindade e humanidade; mas, em significação concreta, dizemos animado e carnal ou corpóreo, assim como dizemos, de outro lado, Deus e homem. Por onde, de ambos os lados, não é predicado o abstrato, do abstrato, mas só, o concreto, do concreto,

RESPOSTA À QUARTA. — O nome de homem é predicado de Deus em razão da união pessoal; e essa união implica relação. E por isso, não segue a regra daqueles nomes que absolutamente e abeterno são predicados de Deus