Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1 — Se o sacerdote da Lei Velha tinha o poder das chaves.

O primeiro discute-se assim. — Parece que o sacerdote da Lei Velha tinha o poder das chaves.

1. Pois, a chave é uma sequela da ordem. Ora, os sacerdotes da Lei Velha, como tais, tinham a ordem. Logo, também tinham o poder das chaves.

2. Demais. — Como o Mestre disse antes, duas são as chaves: a ciência do discernimento e o poder de julgar. Ora, os sacerdotes da Lei Velha tinham a autoridade para ambos. Logo, tinham o poder das chaves.

3. Demais. — Os sacerdotes da Lei Velha tinham um certo poder sobre o demais povo. Não temporal, porque então o poder real não se distinguiria do sacerdotal. Logo, o espiritual, que é o poder das chaves. Portanto, tinham este poder.

Mas, em contrário. — As chaves servem para abrir o reino dos céus, que não podia ser aberto antes da paixão de Cristo. Logo, o sacerdote da Lei Velha não tinha o poder das chaves.

2. Demais. — Os sacerdotes da Lei Velha não conferiam a graça. Ora, as portas do reino celeste não podem abrir-se senão pela graça. Logo, não podiam abrir-se por esses sacramentos. E assim, também o sacerdote, ministro deles, não tinha as chaves do reino dos céus.

SOLUÇÃO. — Certos disseram, que os sacerdotes da Lei Velha tinham as chaves, porque lhes foi cometido impor penas pelos delitos, como lemos na Escritura — o que implica o poder das chaves; este porém era então incompleto, ao passo que agora, por Cristo, os sacerdotes da Lei Nova o têm perfeito. — Mas isto vai contra a intenção do Apóstolo, quando diz que o sacerdócio de Cristo é mais excelente que o da Lei, porque Cristo está presente como pontífice dos bens vindouros, e entrou no tabernáculo celeste pelo seu próprio sangue; tabernáculo não feito por mão de homem, ao qual introduziam os sacerdotes da Lei Velha, por sangue de bodes e de bezerros. Por onde é claro que o poder desses sacerdotes não se estendia às realidades celestes, mas às figuras delas. — Por isso, segundo outros, devemos pensar que não tinham as chaves, senão as figuras delas.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — As chaves do reino celeste são dadas com o sacerdócio, pelo qual somos introduzidos nos céus; ora, tal não era a ordem do sacerdócio Levítico. Por isso os sacerdotes da Lei Velha não tinham as chaves do céu, mas só as do tabernáculo terrestre.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Os sacerdotes da Lei Velha tinham a autoridade de discernir e de julgar; mas não que fosse o homem julgado por eles admitido no céu, mas só a figura das coisas celestes.

RESPOSTA À TERCEIRA. — Tinham o poder espiritual porque pelos sacramentos da Lei os homens se purificavam, não das culpas, mas de certas irregularidades, a fim de se lhes abrir aos purificados a entrada do tabernáculo feito por mão de homem.