Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Outro sinal dos tempos

Postado em 01-05-2011

Roma locuta est, causa finita est

Inter multiplices una vox – Itália

Belvecchio

Agora está definitivamente encerrada qualquer controvérsia em torno beatificação de João Paulo II. Certo ou errado, João Paulo II é indicado pela Igreja como digno de culto. Não  voltaremos  à questão, mesmo se todas as reservas que foram feitas permaneçam para memória futura.

Neste ponto, vamos nos concentrar sobre dois aspectos desta Beatificação que parecem dignos de nota e muito indicativos da situação do  catolicismo  em relação ao mundo inteiro e à prática de sua fé.

A primeira questão refere-se o que podemos chamar outro “Sinal dos tempos”, a segunda se refere, ao contrário, à relação entre o mundo da tradição católica e  resto do mundo católico.

Consideremos, então, o primeiro.

 

Outro sinal dos tempos

É claro que esta semana da Páscoa de 2011 dará  muito que  refletir aos historiadores dos costumes e nos parece razoável supor que será um marco na  vida da Igreja.

Tudo começa com a sexta-feira, 29 de abril, quando mais de dois bilhões de pessoas estão diante da televisão para “Participar”em um evento memorável: o casamento do herdeiro provável  do trono da Inglaterra e uma senhorita inglesa da  alta burguesia. Um sonho para milhões de meninas que, mesmo cansadas pelo poderio das mulheres modernas mantêm em um canto de seus corações a esperança de viver um dia o conto de fadas do improvável: o beijo vivifante do “príncipe encantado”.

Um mundo que se quer racional e auto-suficiente e ao mesmo tempo goza da patente irracionalidade . Uma das muitas contradições do mundo moderno que está sempre na companhia de outro elemento: a hipocrisia.

A hipocrisia e falsidade promovidas copiosamente no mundo através de todos os órgãos da comunicação moderna massa.

Estes dois homens jovens, e isso é significativo,  trocaram um solene juramento de amor e fidelidade ante Deus: um homem revestido de paramentos acrescentava: “o homem não separe o que Deus uniu!”

Se não vivêssemos  mundo falso e mentiroso, onde cada coisa tem um valor fictício, seria o caso de rir às gargalhadas. Porque realmente era uma farsa. Dois jovens – diante de um homem que crê na indissolubilidade do vínculo conjugal e também no valor supremo do divórcio –  juram-se reciprocamente fidelidade sabendo que terão todas justificativas caso não queiram traí-la. Uma farsa. Uma farsa trágica consumada em um lugar que em um tempo muito tenebroso, foi  chamado de “casa de Deus.” A farsa trágica que tripudia sobre Deus, se possível, sobre a Igreja e especialmente sobre o  homem e o destino de seu alma.

Tudo isto inserido  em uma coreografia significativa, na qual duas carreiras distintas de árvores foram introduzidas ficticiamente em um  antigo complexo arquitetônico de 1000 anos, que deveria recorda os tempos em que  apresentar-se diante de Deus, na casa de Deus, representava compromisso por toda a vida até a morte. Mas, ao contrário, eis a “casa de Deus” deslustrada por um símbolo pagão antigo: o “fanum”, o santuário da floresta onde se invocam as divindades da natureza.

Na verdade, uma combinação estranha, e pode-se dizer, um sinal da relativização de Deus, reduzido a mera entidade nascida da mente do homem.

Este espectáculo, moderno surreal, contra um fundo também falso e ilusório: a realeza inglesa. Não que se trate de  uma particularidade inglesa, porque agora a realeza é uma concha vazia do mundo, mas com certeza ironicamente é  a Inglaterra que mantém atenção para os restos do que outrora foi o símbolo  da realeza divina delegada ao homem, para assegurar ao vida social informada pelas leis de Deus.

A par da ficção de que temos falado, a monarquia inglesa representa uma espécie de superstição, mantida viva com cuidado por causa do cenário e do belo gesto,  coisas que são muito caras à  mentalidade anglo-saxônica e particularmente reforçada pela sensibilidade protestante, que considera mais a aparência que o ser. Não poderia haver melhor cenário para esse espetáculo falso e hipócritaa ser transmitido pela televisão, que não  por acaso é o último instrumento de comunicação de massa  para disseminação de influências perniciosas e formidável engano.

Que lição devem ter recebido todos os jovens  que beberam desta fonte envenenada?

Que futuro para este mundo moderno, que trata assim a sua juventude?

Mala tempora currunt!

E passamos para o segundo dos três dias deste incrível “Tríduo” de 2011: Sábado, 30 de abril. Não era sequer concluída a festa da monarquia inglesa amplificada pelos milhões de foto espalhada em toda a imprensa no mundo, aqui há outro evento a ser explorado pelo telejornalismo: a vigília para o Beatificação de João Paulo II.

Um deleite para os profissionais de mídia de massa. Centenas de reportagens, milhares de entrevistas, dezenas de filmes e outros eventos para o pequeno ecrã que, ironicamente, se chama de “ficção”, que para os não iniciados  significa exatamente “ficção”.

E agora  parte da nova aventura televisiva … os espíritos estão já preparados e animados. Um impulso de coisas surpreendente.

Não, não se mistura o sagrado e o profano. Os fatos estão aí para mostrar que, para o segundo dia correndo por todo o mundo há um excedente de informação, notícia, reconstruções que chamam a atenção de homens e mulheres, velhos e jovens, fiéis e infiéis … em suma, qualquer um que não foi impedido por alguma doença grave. O show parecia projetar pequenas caixas de luz presentes em quase todas as casas do mundo. O show, o espetáculo do século, o maior espetáculo do mundo: Senhores, venham! Talvez possam dizer que estamos sofrendo da doença que faz ver somente o mal, que mostra só coisas feias.  Talvez, mas realmente hoje quem seria tão convincente que nos fizesse crer que tudo o que dizemos isso não é verdade?

Na verdade, é inegável que se tratava de uma intoxicação por televisão, e eu desafio qualquer pessoa a argumentar que tal intoxicação não ligou para todos os instintos  irracionais e não ofuscou qualquer compreensão séria dos eventos resultando em uma confusão paradoxal entre o espetáculo mundano e religioso, entre a futilidade e a seriedade, entre imaginação e realidade, entre os assuntos dos homens e as coisas de Deus, entre o mundo e a Igreja, entre a verdade e a falsidade.

Entendemo-nos:  não estamos falando  dos santos, que graças a Deus Não estão  sujeitos a tais sugestões, mas as seis bilhões de pessoas que migram para o nosso infeliz mundo moderno e  desafio qualquer um a provar que foram capazes de passar com segurança pela leveza de Kate e história de Willy para a gravidade das virtudes heróicas de João Paulo II.

E aqui, também: que lições terão recebido todas as jovens que beberam  o veneno  desta fonte? Que futuro para este mundo moderno, que trata assim sua juventude? Currunt Mala tempora!

Mas a história não termina aqui, porque depois de sexta-feira e sábado vem o domingo inevitável, já anunciado com letras grandes no próprio sábado.

1º de maio de 2011.

Que tem 1º de maio?

Nós não somos historiadores e estudiosos do folclore, mas não podemos fingir esquecer que essa data é realmente um pouco infausta. Dia do Trabalho … isso diz … e já está dizendo algo. Este festa, recordada pela apologética como uma chave de redenção da escravidão (sic), de fato corresponde a um ritual pagão antigo que a Igreja tentou exorcizar duas vezes. Uma vez em 893 com a canonização de Santa Walpurgis, cuja festa foi fixada a 1 de maio, o dia da transferência de seu corpo, e outra em 1955 com a criação do patrocínio de São José Operário, em 01 de maio de Pio XII.

Na noite de 30 de abril e 01 de maio, na hora meia-noite, havia outrora  os festejos propiciatórios para o despertar da primavera da natureza. Durante estas celebrações  reforçavam-se as relações entre os vivos e os mortos, dando-se início à irrupção do reino dos mortos no mundo vivo e utilizando-se para o estimulação da vida contemporânea através de par de homens e mulheres jovens. Uma espécie de exaltação das forças da natureza, com uma distribuição adjacente influências das águas subterrâneas. O desaparecimento gradual de paganismo deixou vestígios destes rituais que foram transformados inexoravelmente através das superstições perigosas o que o diabo tentou tomar como podia, com graves danos para a salvação das almas dos batizados.

A instituição da festa de Santa Walpurga exorcizou essas superstições, de modo que foi a abadessa Santa invocada contra a bruxaria. Desde então, a noite entre 30 de abril e 01 de maio foi lembrada como a “noite Walpurga “. No entanto, o diabo, enquanto o deixar a vontade de de Deus, continua fazer o seu trabalho.

Com a degeneração sofrida pelo mundo nos últimos cinco séculos, determinou-se a possibilidade de ressuscitar algo negativo destes rituais antigos. Em particular, no ambiente criado pela recusa da autoridade pelo protestantismo surgiram grupos que acharam útil  reviver bruxas, fantasmas e bruxaria, embora em um modo mais ridículo do que no passado, mas não com menor risco de depois … bem. É dentro destes grupos que brotam concepções de “socialista” do século XIX, todos eles ligados à divulgação do resultado de maior sucesso do Iluminismo: a infecção libertária e igualitária se espalha pela Europa as pontas das baionetas que o agente da Revolução Francesa  levou o nome irônico italiano “Buonaparte”. Que foi que exumaram esses círculos “eruditos”, cujo berço originalmente era o mundo germânico? Nada menos que a noite “de Walpurgas “, levada desta vez na chave anti-católica. Com a desculpa de que queria libertar os trabalhadores do jugo senhorial de opressão, libertando o antigo ritual forças infernais foi transposta para o ritual moderno dos levantes populares. Sempre  o mesmo tema: rejeição de Deus, o desrespeito da autoridade, contra estabelecimento de qualquer ordem, a anarquia.

Há  um ditado que diz  que a data de 1 de maio está ligadaà repressão dos empregadores sofrida por eles ou por aqueles trabalhadores. O fato é que foram precisamente os anarco-socialistas, nas primeiras Internacionais muito antes  pretederam  fixar uma data que viria a se tornar global, e quem conhece um pouco a confusa  história desses círculos internacionais do século XIX sabe que eram superlotados de espíritas, mágicos, e espiritualistas do magnetismo todas as laias. Entre eles estava o que cultiva sonhos restauração do paganismo, recorrendo aos mais incríveis singularidades pseudo-históricas de todo o mundo. A escolha da “Noite de Walpurgas” está na verdade casada com um floreio da vasta literatura sobre magos, bruxas e todos os tipos de criaturas noturnas que ainda passam  pela arte literária.

Para todos basta  lembrar o epígone dessas últimas diabrices: o slogan que teve sucesso nos anos sessenta e setenta nos ambientes socialistas e feministas: “as bruxas estão voltando, tremam! Um exemplo? Só os tolos acreditam em coincidências! A Igreja tentou impedir esta subversão nova que se estava  espalhando cada vez mais por todo o mundo e em 1955 o Papa Pio XII 01 de maio decidiu que queria que os católicos celebrassem a festa de São José Operário e não a festa pagã e subversiva do “Dia do Trabalho”. Mesmo na escolha o título teve o cuidado de salientar que José não era um anônimo e ambíguo “operário”, mas um “Artifex”, um “Artesão”, um colaborador da obra de Deus. Somente após o Vaticano II, temos assistido ao desmantelamento e a banalização do título do Santo Patriarca: a partir de artesão “para mero” trabalhador “… mas isso é outra história.

Este é o 1º de maio. E o que acontece no mundo a 1º de maio? A revitalização do antigo ritual … tão destemidos … agora mesmo na comunidade católica por obra de “sindicatos católicos”: desfiles de moda, música, canto e … Danças acompanhadas por uma infinidade de chavões louvando o triunfo da “classe operária” (Mas ainda existe?).

E o que acontece em 1 de maio em Roma? Desde 1990, além do “ritual” promovido pelas lideranças sindicais, em frente da basílica de SS. Salvador milhares de jovens se reunem par receber uma prejudicial influência da música moderna, enriquecida por textos de canções que vão da imoralidade  à blasfêmia. Um verdadeiro festival, que carrega seu próprio charme  anarquista subversivo.

E o que nos faz a hierarquia da Igreja em Roma?

Fixou para1 de maio a beatificação de João Paulo II. Tão estranho que, neste 1º de maio de 2011 todo o mundo pôde ver Roma invadida por uma multidão distribuída entre as ruas, a Praça de São Pedro  Praça San Giovanni, participar ao mesmo tempo, de uma celebração pagã e uma cerimônia religiosa. O mundo inteiro, através da televisão e dos jornais, têm sido capaz de saber que Roma é a capital  de tudo e do contrário  de tudo, o lugar simbólico onde a água santa e o  diabo já não são antagônicos, mas estão de acordo, agora estão unidos pelo  amor. e basta ir pelas ruas para ouvir letras de canções populares tocadas no átrio da Basílica de San Giovanni in Laterano e perceber que não Exagermos absolutamente.

O mínimo que podemos dizer é que … talvez haja alguma coisa … errada!

Assim terminou este incrível tríduo de 2011, durante o qual nós poderíamos ver um real triunfo da cultura  e educação de massa. É muito difícil não considerar que, como nós dissemos no início, será um marco. Quem escrever a história dos costumes em anos vindouros? O relato de uma imponente cerimônia religiosa com anexoss rituais mundanos ou a história de  enormes rituais mundanos com cerimônia religiosa em anexo? Não nos espantariamos  se já no próximo ano víssemos na televisão e  nas revistas sequências em sobreposição do Papa polonês, de Willy e Kate, de dirigentes sindicais, de cardeais católicos, banners contra a energia nuclear, o slogan “santo súbito”,  em Westminster, no Circus Maximus, na Praça San Giovanni e na Praça de São Pedro apinhadas.

Assim vai o mundo!

Estamos errados pensar que mala tempora currunt  … atque peiora premunt?

Belvecchio