Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 1 — Se a informidade da matéria precedeu, no tempo, à formação da mesma.

O primeiro discute-se assim. — Parece que a informidade da matéria precedeu, no tempo, à formação da mesma.

1. — Pois, diz a Escritura: A terra, porém, estava informe e vazia, ou, invisível e descomposta, segundo outra letra; pelo que se designa a informidade da matéria, conforme Agostinho. Logo, houve um tempo em que a matéria, antes de ser formada, foi informe.

2. Demais. — O operar da natureza imita o de Deus, assim como a causa segunda imita a primeira. Ora, na operação da natureza, a informidade precede, no tempo, à formação. Logo, também na de Deus.

3. Demais. — Como parte da substância, a matéria tem preponderância sobre o acidente. Ora, Deus pode fazer existir o acidente sem o sujeito, como se vê no Sacramento do Altar. Logo, podia ter feito a matéria existir sem a forma.

Mas, em contrário. A imperfeição do efeito atesta a do agente. Ora, Deus é agente perfeitíssimo, pelo que dele se diz: As obras de Deus são perfeitas. Logo, a obra por ele criada nunca foi informe.

Demais. — a formação da criatura corporal foi realizada pela obra da distinção. Ora, à esta se opõe a confusão como, à formação, a informidade. Se, pois, a informidade precedeu no tempo à formação da matéria, segue-se que, no princípio, houve a confusão, na criatura corporal, a qual os antigos chamavam Caos.

SOLUÇÃO. — Neste assunto diversas são as opiniões dos Santos Padres. Agostinho pretende que a informidade da matéria corporal não precedeu, no tempo, mas só pela origem ou pela ordem da natureza, à formação da mesma. Outros porém, como Basílio, Ambrósio e Crisóstomo, opinam que a informidade precedeu, no tempo, à formação. E embora essas opiniões pareçam contrárias, contudo pouco entre si diferem. Pois, Agostinho compreende a informidade da matéria diferentemente dos outros.

Para ele, essa informidade significa carência de qualquer forma; sendo, portanto, impossível dizer-se que tal informidade precedeu, no tempo, quer à formação, quer à distinção da matéria. O que é manifesto, quanto à formação; pois, se precedeu, na duração, a matéria informe já era atual, porque a duração, sendo termo da criação, importa o ato e este, em si mesmo, é forma. Dizer, portanto, que a matéria precedeu, sem forma, é idêntico a dizer que o ser atual não o é, o que implica contradição. Nem mesmo se pode dizer que tinha alguma forma comum, sobrevindo-lhe, depois, formas diversas, pelas quais se tornou distinta. Pois, tal opinião seria idêntica à dos antigos físicos, que ensinavam ser a matéria prima algum corpo em ato, como o fogo, o ar, a água ou um corpo médio. Donde resultaria que o vir-a-ser não seria senão o alterar-se. Porque essa forma precedente, dando o ser atual, no gênero da substância, e tornando o ser tal e não tal outro, resultaria que a forma superveniente não causaria simplesmente o ser atual, mas um ser atual, o que é próprio à forma acidental; e portanto, as formas seguintes seriam acidentes, em relação aos quais não há geração, mas alteração. Portanto, deve-se dizer que a matéria prima nem foi criada completamente sem forma, nem com forma comum, senão com formas distintas. Por onde, se a informidade da matéria, se refere à condição da matéria prima, que, de si mesma, nenhuma forma tem, tal informidade não precedeu à formação ou à distinção da mesma, no tempo, como diz Agostinho; senão somente pela origem ou pela natureza, do modo pelo qual a potência é anterior ao ato e a parte, ao todo.

Outros Santos Padres, porém, compreendem a informidade como exclusiva, não de qualquer forma, mas só da formosura e da beleza que, atualmente, se manifesta na criatura corpórea. E, assim, sentem que tal informidade da matéria corporal precedeu, pela duração, à formação da mesma. Por onde, neste sentido, Agostinho concorda com eles, em parte, e, em parte, discorda, como a seguir se virá.

Quanto à expressão do Gênesis, ela pode significar que, faltando-lhe uma tríplice formosura, por isso informe era chamada a criatura corporal. Assim, faltando ao corpo diáfano total, chamado céu, a beleza da luz, por isso se diz que as trevas cobriam a face do abismo. Faltava também, à terra, dupla beleza. Uma, a que tem por estar descoberta das águas e, por isso, se diz que a terra estava informe ou invisível; pois, o seu aspecto corporal não podia aparecer, por causa das águas que de todos os lados a cobriam. Outra, a que tem, por estar ornada de ervas e plantas, dizendo-se, por isso, que era vazia ou descomposta, i. é., não ornada, segundo diferente lição. E assim, tendo preestabelecido duas naturezas criadas, o céu e a terra, exprimiu a informidade do céu dizendo: as trevas cobriam a face do abismo, incluindo no céu também o ar; e a informidade da terra, dizendo: A terra estava informe e vazia.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Terra, aqui, é tomada em sentidos diferentes por Agostinho e pelos outros Santos Padres. Conforme Agostinho, pelos nomes terra e água, deve se entender neste passo a matéria prima em si mesma. Porque Moisés não podia dar a compreender a matéria prima a um povo rude, a não ser por semelhança com coisas desse povo conhecidas. Por isso, exprimiu-a sob multíplice semelhança, não a denominando somente água, ou somente terra, para não parecer que, na verdade das coisas, a matéria prima fosse a terra ou a água. Se bem tenha semelhança com a terra, como fundamento que é das formas; e com a água, como apta a ser informada por diversas formas. Assim, neste sentido, é chamada a terra informe e vazia, ou invisível e descomposta, pois a matéria é conhecida pela forma. Por onde, em si mesma considerada, é chamada invisível, ou vazia, completando-se a sua potência pela forma. Por isso também Platão chamou à matéria lugar. — Outros Santos Padres porém, entendem por terra o elemento mesmo da terra, e a opinião deles sobre a sua informidade, já a referimos.

RESPOSTA À SEGUNDA. — A natureza produz o efeito atual, do ser em potência; sendo, portanto, necessário que, na sua operação, a potência preceda ao ato, no tempo; assim como a informidade, à formação. Mas Deus produz do nada o ser atual; e, portanto pode produzir imediatamente um ser perfeito, pela magnitude do seu poder.

RESPOSTA À TERCEIRA. — O acidente, sendo forma, é um certo ato; porém a matéria, em si mesma, é ser em potência. Por onde, mais repugna à matéria existir em ato, sem a forma, do que ao acidente sem o sujeito.

RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO EM CONTRÁRIO. — Se, segundo outros Santos Padres a informidade precedeu, no tempo, à formação da matéria, isso não foi por impotência de Deus, mas pela sua sapiência, para que se conservasse a ordem na condição das coisas, de modo a que fossem levadas do imperfeito ao perfeito.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Alguns físicos antigos ensinavam a confusão, exclusiva de toda distinção, salvo Anaxágoras que admitia somente o intelecto como distinto e sem imisção. Mas, antes da obra da distinção, a Escritura Sagrada coloca múltiplas distinções. — Assim, primeiro, a do céu e da terra, na qual também se mostra a distinção quanto à matéria, como a seguir se verá; e tudo isto, quando diz: No princípio criou Deus o céu e a terra. — Segundo, a distinção dos elementos, quanto às suas formas, nomeando a terra e a água, sem nomear o ar e o fogo, por não ser claro aos rudes, aos quais Moisés falava, que tais seres são corpos, como manifestamente o são a terra e a água. Embora Platão (no Timeu) entendesse, pelo ar, o espírito do Senhor, porque o ar também se chama espírito, e, pelo fogo, o céu, porque dizia ser este de natureza ígnea, como refere Agostinho. Mas Rabbi Moisés, concordando em outros pontos com Platão, diz que o fogo é expresso pelas trevas; pois, como afirma, o fogo não luz na esfera própria. Porém, parece mais conveniente o que já antes ficou dito, a saber, que, na Escritura, Espírito do Senhor costuma ser tomado pelo Espírito Santo, do qual se diz que é conduzido na superfície das águas, não corporalmente, mas do mesmo modo que a vontade do artífice é conduzida na superfície da matéria a que quer dar forma. — A terceira distinção é expressa em relação à situação, porque a terra estava debaixo das águas, que a tornavam invisível; e quanto ao ar, sujeito das trevas, dele se afirma que estava sobre as águas, quando se diz as trevas cobriam a face do abismo. E o que restava a distinguir, pelo que se segue se verá.