Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 10 — Se Cristo sofreu no lugar conveniente.

O décimo discute-se assim. — Parece que Cristo não sofreu no lugar conveniente.

1. — Pois, Cristo sofreu na sua carne humana, que foi concebida de uma virgem em Nazaré, e nascida em Belém. Logo, parece que devia ter sofrido não em Jerusalém, mas em Nazaré ou em Belém.

2. Demais. — A realidade deve corresponder à figura. Ora, a Paixão de Cristo era figurada pelos sacrifícios da lei antiga. Mas, tais sacrifícios eram oferecidos no Templo. Logo, parece que Cristo devia ter sofrido no Templo e não fora da porta da cidade.

3. Demais. — O remédio deve ser adequado à doença. Ora, a Paixão de Cristo foi o remédio do pecado de Adão. Adão, porém não foi sepultado em Jerusalém, mas no Hebron, como o refere Josué: Hebron chamava-se antes por nome Cariath-Arbe; ali foi enterrado Adão, que foi o máximo entre os Enacinos. Logo, parece que Cristo devia ter sofrido em Hebron e não em Jerusalém.

Mas, em contrário, o Evangelho: Não convém que um profeta morra fora de Jerusalém. Logo, sofreu como o devia, em Jerusalém.

SOLUÇÃO. — Como diz um Autor o Salvador fez tudo em lugares e tempos próprios; pois como todos os tempos estão em suas mãos, assim também todos os lugares. Por onde, assim como Cristo sofreu no tempo conveniente, assim também no lugar conveniente.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Cristo sofreu muito convenientemente em Jerusalém. — Primeiro, porque Jerusalém foi o lugar escolhido por Deus para aí se lhe oferecerem os sacrifícios. Sacrifícios esses que, sendo figurados, representavam a Paixão de Cristo, que é o verdadeiro sacrifício segundo o Apóstolo: Entregou-se a si mesmo como oferenda e hóstia em odor de suavidade, Por isso diz Beda, numa Homilía, que, aproximando-se a hora, da Paixão, o Senhor quis aproximar-se do lugar dela, isto é de Jerusalém, onde chegou cinco dias antes da Páscoa, assim como o cordeiro pascal, era conduzido ao lugar da imolação cinco dias antes da Páscoa, isto é, na décima lua, segundo o preceito da lei. — Segundo, porque a virtude da sua Paixão devia difundir-se a todo o mundo; por isso quis sofrer no meio da terra habitável, isto é, em Jerusalém. Donde o dizer a Escritura: Mas o Deus, rei nosso antes dos séculos, obrou a salvação no meio da terra, isto é, Jerusalém, considerada como o umbigo da terra. — Terceiro, porque isso lhe convinha sobremaneira à humildade; pois, assim como elegeu o mais infamante dos gêneros de morte, assim também àhumildade lhe convinha não recusar sofrer a confusão num lugar tão célebre. Por isso diz Leão Papa: Quem assumira a forma de servo, preelegeu Belém para a sua natividade e Jerusalém, para a Paixão. — Quarto, para mostrar que a iniquidade cometida com a sua morte foi oriunda dos chefes do povo. Por isso quis sofrer em Jerusalém, onde moravam os príncipes. Daí, o dizer a Escritura: Ligaram-se nesta cidade contra o teu santo Filho Jesus, ao qual ungiste, Herodes e Pôncio Pilatos, com os gentios e com os povos de Israel.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Cristo não sofreu a sua Paixão no templo nem na cidade, mas fora da porta, por três razões. – Primeiro, para que a realidade correspondesse ao figurado. Pois, o vitelo e o bode, oferecidos em soleníssimo sacrifício para a expiação de toda a multidão, eram queimados fora dos arraiais. Por isso diz o Apóstolo: Os corpos daqueles animais, cujo sangue é metido pelo pontífice no santuário para expiação do pecado, são queimados fora dos arraiais. Pelo que também Jesus, para que santificasse ao povo pelo seu sangue, padeceu fora da porta. – Segundo, para que assim nos ensinasse, pelo seu exemplo, a nos apartar da vida do mundo. Por isso acrescenta o Apóstolo: Saiamos, pois a ela fora dos arraiais, levando sobre nós o seu opróbrio. – Terceiro como diz Crisóstomo, o Senhor não quis sofrer debaixo de um teto nem num templo judaico, a fim de que os judeus não nos privassem do sacrifício da salvação e não pensássemos que só por esse povo fosse ele oferecido. – Por isso Cristo sofreu fora ela cidade e fora dos muros para sabermos que esse sacrifício foi oferecido por todos, por ser a oblação de toda a terra e a purificação de todos.

RESPOSTA À TERCEIRA. — Como diz Jerônimo, pretendeu-se que o Calvário, lugar onde fora enterrado Adão, foi por isso chamado lugar do crânio por ter sido aí enterrada a cabeça do primeiro homem. Essa interpretação foi bem aceita por lisonjear os ouvidos do povo, mas não é verdadeira. Porque na verdade, fora da cidade e fora da porta, havia lugares onde eram decapitados os condenados; daí o nome que lhes davam, de calvários, isto é, dos decapitados. E por isso aí foi crucificado Jesus para que, onde primeiro fora o campo dos condenados, aí se erigisse o estandarte do martírio. Quanto a Adão, ele foi sepulto perto de Hebron, como lemos no livro de Jesus, filho de Nave. — Mas Jesus devia ser crucificado antes no lugar comum dos condenados, que perto do sepulcro de Adão, para que se mostrasse ser a cruz de Cristo não só um remédio contra o pecado individual de Adão, mas ainda contra o pecado de todo o mundo.