Capela Santa Maria das Vitórias

Missa no rito romano tradicional em Anápolis

Art. 8 — Se é verdadeira a proposição; Cristo é uma criatura.

O oitavo discute-se assim. — Parece verdadeira a proposição – Cristo é uma criatura.

1. — Pois, diz Leão Papa: Nova e inaudita união — Deus, que é e era, torna-se criatura. Ora, podemos predicar, de Cristo, que foi feito Filho de Deus pela Encarnação. Logo, é verdadeira a proposição: Cristo é uma criatura.

2. Demais. — As propriedades de uma e outra natureza podem ser predicadas da hipóstase comum delas, seja qual for o nome que a cada uma delas signifique, como se disse. Ora, é propriedade da natureza humana ser criatura; assim como é propriedade da natureza divina ser Criador. Logo, ambas estas coisas podemos dizer de Cristo: que é criatura e que é incriado e Criador.

3. Demais. — A alma é mais principal parte do homem do que o corpo. Ora, em razão do corpo, que Cristo recebeu da Virgem, dizemos, absolutamente falando, que nasceu da Virgem. Logo, em razão da alma, criada por Deus, devemos dizer, absolutamente falando, que Cristo é criatura.

Mas, em contrário, Ambrósio diz: Porventura foi o Cristo feito, com uma palavra? foi porventura criado por um ato da vontade suprema? quase se respondesse – não. Por isso acrescenta: Como, pois, pode Deus ser uma criatura? Pois, que a natureza de Deus é simples e não, composta. Logo, não devemos conceder a proposição: Cristo é uma criatura.

SOLUÇÃO. — Como diz Jerônimo, palavras proferidas inconsideradamente podem-nos fazer incorrer em heresia. Ora, não devemos ter nenhuma comunidade de expressão com os heréticos, para não parecermos participar-lhes do erros. Ora, os heréticos Arianos diziam ser Cristo uma criatura e menor que o Pai; não só em razão da natureza humana, mas ainda em razão da Pessoa divina. Por onde, não devemos dizer, em sentido absoluto, que Cristo é uma criatura, ou menor que o Pai, senão em sentido determinado, isto é, pela natureza humana. Mas, quando se trata de uma atribuição da qual nem ainda podemos suspeitar que convenha à Pessoa divina em si mesma, podemos então em sentido absoluto atribuí-la à natureza humana de Cristo; assim, absolutamente falando, dizemos que Cristo sofreu, morreu e foi sepultado. Assim também, na ordem das coisas materiais e humanas, quando podemos duvidar se uma atribuição convém ao todo ou à parte, se convém a uma parte não a aplicamos ao todo em sentido absoluto, isto é, sem determinação; por isso não dizemos que um Etíope é branco, mas, de dentes brancos. Dizemos porém, sem determinação, que é crespo, porque isto só lhe pode convir aos cabelos.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Às vezes os santos doutores, por brevidade, aplicam a palavra criatura a Cristo sem nenhuma determinação. Mas devemo-la subentender nas expressões deles.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Todas as propriedades da natureza humana, como da divina, podem de certo modo ser atribuídas a Cristo. Por isso diz Damasceno: Cristo que é Deus e homem, é chamado criável e incriável, passível e impassível. Contudo, expressões duvidosas em relação a qualquer das suas naturezas, não se lhe devem aplicar sem restrição. Por isso, a seguir, o mesmo doutor acrescenta: A sua hipóstase única é, em si mesma, incriada, pela divindade, e criada, pela humanidade. Assim como e ao inverso, não devemos dizer sem restrição — Cristo é incorpóreo — ou — impassível — para evitar o erro de Maniqueu, que ensinava não ter Cristo um verdadeiro corpo nem ter verdadeiramente sofrido. Mas devemos dizer, em sentido restrito, que Cristo, pela sua divindade, é incorpóreo e impassível.

RESPOSTA À TERCEIRA. — Não podemos de modo nenhum duvidar que a natividade, da Virgem, convenha à pessoa do Filho de Deus; como podemos, que lhe convenha a criação. Logo, não há paridade em ambos esses casos.